Presidente da câmara: "Nunca tinha visto pedras de granizo deste tamanho"

IPMA tinha posto o distrito de Bragança sob alerta laranja, devido à precipitação e à trovoada. "Não é uma situação que esteja desenquadrada desta época, embora não aconteça muitas vezes".

Uma forte trovoada acompanhada de chuva e granizo provocou danos avultados principalmente na agricultura ao nível das vinhas, olivais e soutos em vários pontos do concelho de Mogadouro, no distrito de Bragança, disse à Lusa fonte dos bombeiros de Mogadouro.

Segundo José Carrasco, comandante dos bombeiros de Mogadouro, os operacionais foram "solicitados para várias ocorrências em vários pontos do concelho", acrescentando que os maiores prejuízos relatados foram ao nível das culturas agrícolas.

No Twitter, na página Meteo Trás-os-Montes, foram publicadas vários vídeos e imagens do granizo que terá caído hoje.

O presidente da Câmara de Mogadouro disse à Lusa que são "muito avultados" os prejuízos no concelho. "Tenho conhecimento de que há prejuízos muito avultados provocados pelo granizo, não só na vila de Mogadouro, mas em grande parte do concelho. Ainda não é possível contabilizar os estragos já que a informação, só agora, começa a chegar", disse Francisco Guimarães.

De acordo com o autarca, as pedras de granizo eram quase do tamanho de ovos de galinha. "Eu nunca tinha visto pedras de granizo deste tamanho. Agora a nossa preocupação é estar com os nossos agricultores que viram as suas culturas perdidas", concretizou.

Já o presidente da junta de freguesia de Tó, no norte do concelho de Mogadouro, António Marcos, disse que o granizo que caiu na sua aldeia durante cerca de uma hora provocou "danos avultados" na agricultura, descrevendo as pedras de granizo como semelhantes a bolas de pingue-pongue.

As bolas de granizo ainda são visíveis em vários pontos da vila, onde decorre o festival Terra Transmontana.

Situação normal

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tinha posto o distrito de Bragança sob alerta laranja este sábado, precisamente devido à precipitação e à trovoada. Guarda, Viseu, Braga e Vila Real estão em alerta amarelo. O IPMA dava temperaturas máximas de 30 graus e mínimas de 19 para Bragança este sábado, com a previsão para Mogadouro a ser de mínima de 18º e máxima de 27º.

A tempestade de granizo não era por isso inesperada, tendo sido provocada por uma depressão que se encontra sobre Portugal Continental.

"Não é uma situação que esteja desenquadrada desta época, embora não se possa dizer que aconteça muitas vezes. É normal na primavera e início de verão", adiantou à Lusa o meteorologista do IPMA Bruno Café.

Para domingo "também há instabilidade prevista, mas já não terá a intensidade do dia de hoje, pois a depressão que se encontra sobre Portugal Continental irá gradualmente deslocar-se para leste, mais para o interior da Península Ibérica" pelo que a possibilidade de ocorrência de aguaceiros é bastante inferior.

A influência do anticiclone que está situado na região dos Açores vai também sentir-se mais, provocando alguns períodos de nebulosidade durante a manhã que podem persistir na costa ocidental, sobretudo na faixa litoral da região centro, acompanhada de uma intensificação do vento, com a nortada a fazer-se sentir principalmente durante a tarde, prevê Bruno Café.

Mau tempo também em Espanha

Os espanhóis também têm registo de tempestades e granizo em Valladolid, com várias casas inundadas.

"Foi horrível", disse o presidente da câmara de Valladolid, Carlos Mangas, à Europa Press. "Em pouco mais de 15 minutos varreu a cidade inundando muits casas e destruindo cultivos nos arredores", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.