Telescola. O estúdio do "Preço Certo" passa a sala de aulas

A RTP está encarregue da produção e emissão da nova forma de ensino à distância para o ensino básico. O estúdio já está escolhido e o projeto terá ainda um site próprio onde será possível rever as aulas.

Estando suspensos na RTP - e nas outras estações - os programas com auditório, será precisamente no estúdio onde se realizava o programa de maior audiência da televisão pública, o "Preço Certo", que serão realizadas as emissões da futura telescola.

Será lá - numa parte desse estúdio, não na sua totalidade - que serão filmadas as aulas que os alunos dos nove anos do ensino básico poderão seguir na RTP Memória - um canal que tanto emite no cabo como na TDT (Televisão Digital Terrestre) e por isso foi escolhido.

A RTP está encarregue de todo a produção e emissão e o ministério da Educação ficará responsável pelos conteúdos e por escolher os professores que lecionarão. O coordenador do projeto, por parte da televisão pública, será Gonçalo Madaíl, o diretor da RTP Memória.

Ao que o DN apurou, à emissão na RTP Memória da nova telescola será acrescentado um site que permitirá aos alunos rever as aulas se por alguma razão não as conseguirem acompanhar em direto - ou as quiserem rever.

Dito de outra forma: está também a ser construída uma espécie de "Telescola Play" - assim como existe na internet uma "RTP Play" onde toda a programação pode ser revisitada (ou acompanhada em direto num computador). Também esse projeto está a ser construído pela televisão pública.

"Teremos atividades letivas todos os dias úteis da semana, por blocos de dois anos, começando de manhã sucessivamente do primeiro ano até ao 9º ano mais ao fim da tarde"

Os "media" já chamam a esta nova forma de ensino à distância de "telescola" mas na verdade a iniciativa vai-se chamar #EstudoEmCasa. Na próxima semana, o ministério da Educação tenciona fazer uma apresentação pública do projeto, esclarecendo todas as dúvidas.

As aulas, como anunciou hoje o primeiro-ministro, começarão no próximo dia 20. "Teremos atividades letivas todos os dias úteis da semana, por blocos de dois anos, começando de manhã sucessivamente do primeiro ano até ao 9º ano mais ao fim da tarde", esclareceu o chefe do Governo, na conferência de imprensa onde também anunciou que no ensino secundário (do 10º ao 12º) ainda haverão este ano aulas presenciais.

Para os fãs da RTP Memória há ainda uma certeza. Nos dias de telescola (de segunda a sexta), a emissão normal não deixará de ocorrer. Mas só irá para o ar depois das aulas, durante a noite e madrugada.

O diretor da RTP Memória explicou à Lusa que esta iniciativa "é um desafio tremendo" para toda a equipa envolvida no projeto.

"A RTP avançou com esta iniciativa em parceria com o ministério e está a assumir toda a produção e gestão logística e o acolhimento, com cenário preparado, e o fornecimento de dispositivos para acessibilidade", salientou Gonçalo Madaíl. "Estamos preparados, se necessário, para durar o equivalente a todo o terceiro período", acrescentou.

"É um desafio tremendo preparar isto tudo com as entidades todas, seguindo todos os procedimentos, através de teletrabalho."

O desenho criativo do canal #EstudoEmCasa, tal como o grafismo e a identidade televisiva, foi desenhada pela equipa da RTP Memória e do Centro de Inovação, referiu.

"É um desafio tremendo preparar isto tudo com as entidades todas, seguindo todos os procedimentos, através de teletrabalho", salientou.

Questionado sobre quanto tempo levou a montar este projeto, o diretor da RTP Memória afirmou: "Diria que, intensamente, foram duas semanas e meia a trabalhar" e isto só foi possível "com muito espírito de missão e uma carga emocional muito grande".

Do lado da RTP, a preparação do canal público de aulas à distância por via televisiva envolve "pelo menos 50 pessoas com funções várias", disse.

Quanto a investimento, Gonçalo Madaíl remeteu para mais tarde a sua divulgação.

Em termos de expectativa, "a primeira é garantir que os conteúdos que chegam a casa cumprem exatamente as expectativas que o ministério precisa, que os professores precisam e, do nosso ponto de vista, uma entrega técnica imaculada."

Aliás, esta iniciativa "obrigou a novos métodos de emissão" da parte da RTP para "assegurar a pontualidade da emissão", disse, uma vez que as aulas têm de começar a horas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG