Sindicato diz que ministra da Saúde mostrou"enorme desrespeito" por médicos do SNS

O sindicato indica que pagar 500 euros por hora a um prestador de serviços durante 12 horas corresponderia ao triplo do que ganha um médico no SNS num mês

O Sindicato Independente dos Médicos acusou a ministra da Saúde de manifestar um "enorme desrespeito" pelos médicos do quadro do Serviço Nacional de Saúde ao dar a entender que pagaria 500 euros à hora a médicos prestadores de serviço.

Em comunicado emitido esta quinta-feira a propósito do caso da falta de anestesistas na Maternidade Alfredo da Costa no Natal, o Sindicato lembra que a maioria dos médicos especialistas do quadro do SNS ganha 9,27 euros líquidos por hora, no regime de 40 horas semanais, e 7,89 euros líquidos nas 35 horas.

"A senhora ministra manifesta um enorme desrespeito pelos médicos do quadro do seu SNS quando afirma que pagaria 500 euros por hora a prestadores de serviços médicos", indica a nota do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

O sindicato indica que pagar 500 euros por hora a um prestador de serviços durante 12 horas corresponderia ao triplo do que ganha um médico no SNS num mês.

Na segunda-feira, ao comentar em Coimbra a falta de anestesistas na Maternidade de Lisboa, Marta Temido assegurou que o conselho de administração pagaria os 500 euros à hora pedidos para a prestação de serviços de anestesia, "mas sucede que não foi possível recrutar um segundo elemento" para a Maternidade Alfredo da Costa (MAC)

Esta quinta-feira, em comunicado, o Ministério da Saúde reafirmou que houve uma proposta de um prestador de serviço para colocar um anestesista na Maternidade Alfredo da Costa por 500 euros à hora no Natal.

Esta contratação não se concretizou, mas o comunicado do Ministério da Saúde não adianta mais nada sobre o assunto.

O Sindicato Independente dos Médicos recorda o que a lei estabelece para contratação de serviços médicos e diz que a MAC não poderia contratar serviços médicos a mais de 39,43 euros por hora, tendo em conta os limites estabelecidos num despacho de 2018.

Na nota emitida, o SIM frisa ainda que nos dias de Natal houve propostas de hospitais privados que ofereciam cerca de 90 euros por hora a médicos, considerando que isto deveria "fazer refletir e agir" sobre a "falta de atratividade do SNS".

A Ordem dos Médicos já exigir a apresentação dos documentos ou contratos onde conste "claramente o referido valor".

"Tais propostas de contratação por 500 euros à hora não existem -- a Ordem exige um desmentido tão público quanto o foram estas falsas notícias e reserva-se no direito de recorrer aos tribunais dado o caráter ofensivo e indigno para os médicos como resultado das declarações proferidas", refere a nota.

Segundo a Ordem, o Centro Hospitalar Lisboa Central terá aberto um concurso para contratação de prestadores de serviços, por um valor de 39 euros à hora, que é aliás o que está tabelado por lei.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.