"Faria tudo outra vez". Rui Pinto diz não estar arrependido e nega estar ao serviço do FC Porto

O denunciante português do Football Leaks garante ter feito "o que tinha a fazer", após conhecer a sentença que dita a sua extradição para Portugal.

"Fiz o que tinha a fazer, não me arrependo de nada, faria tudo outra vez", afirmou esta terça-feira o português Rui Pinto em Budapeste, após conhecer a sentença de extradição para Portugal.

Falando aos jornalistas no interior do Tribunal Metropolitano de Budapeste, com as mãos algemadas e segurando uma garrafa de água, Rui Pinto insistiu que as suas denúncias não visaram "um clube em específico" - como o Benfica - porque o caso "é internacional" e incluiu a divulgação de situações com outros clubes.

"Portugal está podre" e "não vai acontecer nada" para alterar o estado de coisas que denunciou no futebol português, ao contrário de outros países que disse "quererem mudar" essa situação, acusou o denunciante do Football Leaks, confirmando ter sido contactado pelas autoridades norte-americanas mas não poder falar sobre o assunto.

"Tentei ajudar todas as autoridades" que o contactaram, acrescentou. Agora "é aguardar" pela decisão sobre o recurso da decisão de ser extraditado para Portugal, continuou Rui Pinto.

Assumindo ser adepto portista, Rui Pinto disse ter tido acesso a informação que indicia a existência de "comportamentos um pouco estranhos" de figuras ligadas ao FC Porto e até que possa haver "desvio de fundos" no clube presidido por Pinto da Costa.

O Football Leaks "publicou documentos [relativos a] irregularidades" no FC Porto, insistiu Rui Pinto, negando a acusação de receber quaisquer verbas pela venda do livro sobre os casos de corrupção no futebol que denunciou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.