Professora que matou marido diz ter sofrido violência doméstica

A professora acusada de ter matado o marido, no verão de 2018, em Abrantes, com dezenas de golpes, afirmou , ao Tribunal de Santarém, que agiu em legítima defesa e que era vítima de violência doméstica.

Acusada pelo Ministério Público de homicídio qualificado pela morte do marido, também professor, em agosto de 2018, a professora, de 43 anos, negou a versão constante na acusação de que, descontente por o marido se querer divorciar, gizou um plano para lhe tirar a vida usando um martelo, de modo a atribuir a autoria da morte a pretensos assaltantes encapuzados.

Num depoimento várias vezes entrecortado pelo choro, a mulher, que assumiu a culpa e confessou arrependimento, não conseguiu explicar a extrema violência com que agiu, afirmando que perdeu a noção do que fazia e garantindo que nunca pensou em matar o marido e "jamais" o faria com os filhos por perto.

Também não conseguiu explicar por que motivo a vítima tinha vestígios de alprazolam (ansiolítico) e mirtazapina (antidepressivo) no sangue e que a acusação afirma dever-se a medicação que ela lhe terá dado, sem ele se aperceber, para ficar sonolento e não se defender dos golpes.

Declarou ainda que foi por desespero que disse naquela noite aos vizinhos e depois aos agentes da PSP que tinha visto dois encapuzados e que tinham sido assaltados, reconhecendo que mentiu para que não pensassem que tinha sido ela, o mesmo motivo que a tinha levado, antes, a tentar lavar os vestígios de sangue e a despir a roupa e as sapatilhas, ficando apenas em roupa interior.

Questionada pela juíza se em nenhum momento lhe passou pela cabeça que os dois filhos, que tinha deixado dentro do carro à porta de casa (preparavam-se para ir com uma amiga e os filhos a um parque de Abrantes), podiam entrar e ver "aquele quadro", a arguida afirmou que teve "tanto medo" que não raciocinou.

No seu depoimento, disse que o marido a andava a ameaçar constantemente e que, naquela noite, lhe terá dito para ir ao parque e vir "viçosa" porque seria nesse dia, o que ela terá associado à concretização da ameaça de que a queria ver a fazer sexo "com outras pessoas, incluindo travestis".

No seu interrogatório, o advogado de defesa procurou demonstrar a ocorrência de violência doméstica recorrendo a relatórios médicos, datados pelo menos desde 2012, altura em que começou a ser seguida em gastroenterologia devido a uma fissura no ânus, que a arguida associou ao facto de ser forçada a fazer sexo anal.

Foi ainda relatado um episódio de atendimento hospitalar, em novembro de 2016, por uma fratura no joelho e deslocamento num pé e outro, em outubro de 2017, por ansiedade e instabilidade emocional, o que a arguida afirmou, a chorar, ter-se devido a ter sido violada nessa noite.

A arguida foi confrontada pela acusação com transcrições de mensagens e gravações em que falava a uma amiga sobre a degradação da relação conjugal, com referências a divórcio, possibilidade que afirmou várias vezes no seu depoimento nunca ter sido colocada por "medo".

Antes do interrogatório à arguida, o procurador do Ministério Público referiu a "forma particularmente violenta" e a "frieza de ânimo" com que praticou o crime, fazendo-o de "livre vontade e plena consciência".

Por seu turno, o advogado de defesa criticou a forma como foi conduzido o inquérito, lamentando que a confissão sem reservas feita pela arguida antes da acusação tenha resultado em apenas um artigo e considerou uma "ofensa" o facto de o Ministério Público ter "dado os autos à imprensa antes de os facultar ao defensor".

"Nunca tal tinha acontecido. É triste e merecia uma sindicância", declarou António Velez.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.