Precários do Porto de Lisboa não se apresentaram para trabalhar em Setúbal

Funcionários de Lisboa foram convocados esta terça-feira para fazer o trabalho dos colegas que estão parados há uma semana.

Os trabalhadores precários do Porto de Lisboa não se apresentaram esta quarta-feira de manhã na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa, para serem transportados para o Porto de Setúbal, como lhes tinha sido pedido. Não aceitaram substituir os colegas, os estivadores precários de Setúbal, que há uma semana não trabalham, revelou esta quarta-feira ao DN o Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL).

"A informação que temos é que nenhum trabalhador terá aceitado furar a greve dos colegas. Não estão disponíveis para pactuar com esta jogada para pôr trabalhadores uns contra os outros", afirmou António Mariano, presidente do SEAL ao DN.

Os funcionários de Lisboa foram convocados esta terça-feira "a fim de serem "carregados" em carrinhas que os levarão ao porto de Setúbal, para aí serem "descarregados" num qualquer terminal para prestarem trabalho", pode ler-se num comunicado do sindicato enviado para as redações.

O SEAL apelou aos trabalhadores para "não responderem a convocatórias de trabalho ilegal nem a provocações de qualquer tipo". Os dirigentes sindicais consideraram ainda esta atitude uma forma de "potenciar conflitos entre trabalhadores e, por essa via, tentar responsabilizar o SEAL por eventuais consequências de atos irresponsáveis deliberadamente provocados pelos operadores portuários", escreveram no mesmo comunicado.

Os estivadores do Porto de Setúbal estão em greve há uma semana para chamar a atenção para o trabalho extraordinário cumprido pelos funcionários efetivos que servem os terminais da infrastrutura. Há já dois terminais do porto sem operações, um deles é o da Autoeuropa, que está acumular milhares de viaturas e admite suspender a produção.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG