Condutor que quase atropelou vários transeuntes em Aveiro condenado a dois anos e meio de prisão

Foi aplicada ao arguido, de 32 anos, uma pena única de dois anos e meio de prisão efetiva. No julgamento, admitiu ter conduzido alcoolizado

O Tribunal de Aveiro condenou esta terça-feira a dois anos e meio de prisão efetiva um condutor alcoolizado que circulou numa rua pedonal junto à Praça do Peixe, quase atropelando diversas pessoas que se encontravam naquele local.

O arguido, de 32 anos, foi condenado a um ano de prisão, por cada um dos cinco crimes de ofensas à integridade física qualificada na forma tentada, de que estava acusado.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada a pena única de dois anos e meio de prisão efetiva.

O advogado de defesa já anunciou que vai recorrer da decisão, por entender que o arguido foi julgado pela segunda vez pelos mesmos factos.

Em julho de 2016, o arguido foi condenado no Tribunal de Aveiro por condução sob efeito de álcool a uma pena de 90 dias de multa, à taxa diária de cinco euros, substituída por trabalho comunitário.

"Estou muito arrependido"

No início do julgamento, o arguido admitiu ter conduzido alcoolizado, apesar de dizer que não se recordava de alguns momentos, e mostrou arrependimento.

"Estou muito arrependido. Não sabia que ia fazer este aparato todo e peço desculpa a toda a gente", disse o arguido, que está a cumprir uma pena de prisão por um crime de violência doméstica, à ordem de outro processo.

O caso ocorreu na madrugada de 22 de novembro de 2015. Depois de ter estado a ingerir bebidas alcoólicas, o homem entrou na sua viatura e percorreu uma rua pedonal, junto à Praça do Peixe, onde estavam centenas de pessoas que saíam dos bares àquela hora.

A viatura em que seguia acabou por se despistar, indo embater num muro do canal central da ria de Aveiro.

O condutor, que seria retido no local por populares, até à chegada da PSP, acusou uma taxa taxa de alcoolemia de 1,63 gramas por cada litro de sangue, acima da taxa crime (1,2 g/l).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.