"Os enfermeiros perceberam ao fim destes anos que não precisam de permissão ou licença para existirem"

Bastonária da Ordem dos Enfermeiros respondeu à ameaça do primeiro-ministro de levar a greve dos enfermeiros até aos tribunais.

A bastonária da ordem dos enfermeiros, Ana Rita Cavaco, pede ao primeiro-ministro que concretize "os factos a que se está a referir", depois de ameaçar levar a bastonária a tribunal, na sequência da greve dos enfermeiros. Em declarações à TSF, a representante dos enfermeiros garante estar de consciência tranquila quanto ao cumprimento das competências da Ordem."A questão das greves convocadas pelos sindicatos extravasa, neste momento, aquilo que é a vontade da Ordem ou a vontade da sua bastonária", defendeu a líder da ordem.

Na SIC Notícias foi ainda mais longe: "Habituaram-se a olhar para os enfermeiros como aqueles que tudo suportaram. Os enfermeiros perceberam ao fim destes anos que não precisam de permissão ou licença para existirem."

Mas a greve, essa é para continuar: "Houve ontem [segunda-feira] uma nova reunião do Tribunal Arbitral onde voltaram a ser definidos serviços mínimos para esta greve cirúrgica. O que é perigoso é encostarmos os enfermeiros a uma situação que possa não ser legal ou que fuja do quadro do que é uma greve legalmente convocada."

A bastonária respondeu assim ao primeiro-ministro, que esta terça-feira admitiu, em entrevista à SIC, avançar judicialmente contra a Ordem dos Enfermeiros por estar convencido de que houve violação dos estatutos das ordens profissionais "Iremos comunicar as autoridades judiciárias os factos apurados e que são uma manifesta violação das leis das ordens profissionais", disse António Costa.

Isto depois de o secretário de Estado Adjunto da Saúde ter comunicado que suspendeu as relações institucionais com a Ordem dos Enfermeiros na sequência das posições e declarações da bastonária sobre a greve em blocos operatórios.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG