14 mortos desde o início da operação "Natal Tranquilo"

Operação da GNR começou na passada sexta-feira e prolonga-se até quarta.

A operação "Natal Tranquilo" registou no quarto dia, segunda-feira, 194 acidentes na estrada, que resultaram em dois mortos e seis feridos graves, elevando para 14 as vítimas mortais desde o início da operação, disse fonte da GNR à Lusa.

Na segunda-feira, segundo os dados provisórios da GNR, os acidentes rodoviários mortais tiveram lugar nos concelhos de Santarém e Portalegre.

A GNR tem em curso desde as 21:00 de sexta-feira e até quarta-feira a Operação "Natal Tranquilo", que prevê o reforço do patrulhamento e da fiscalização nas vias com maior tráfego nesta altura do ano no país.

A operação vai contar com a participação de mais de 1.400 militares da Unidade Nacional de Trânsito e dos Comandos Territoriais.

O objetivo é, segundo a GNR, prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, no sentido de lhes proporcionar uma deslocação em segurança.

A GNR vai estar atenta a manobras perigosas, à correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direção e de cedência de passagem, à utilização indevida do telemóvel e ao excesso de velocidade, nas zonas sob sua jurisdição.

A GNR vai também estar atenta à não circulação na via mais à direita em autoestradas e itinerários principais e complementares, bem como à incorreta ou a não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças.

A GNR aconselha também os condutores a fazerem um planeamento cuidado das viagens, evitando os períodos do final do dia, quando se prevê maior intensidade de tráfego, a descansarem antes de efetuar a viagem e a, pelo menos de duas em duas horas, ou sempre que necessário, pararem e descansarem.

É também recomendado aos condutores que adequem a velocidade às condições climatéricas, ao estado da via e volume de tráfego, que mantenham a calma em situações de elevada intensidade de tráfego e que evitem manobras que possam resultar em embaraço para o trânsito ou contribuir para a ocorrência de acidentes.

Por fim, a GNR pede anda a adoção de uma condução atenta e defensiva.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.