Mulher de triatleta desaparecido: "Continuam à procura mas é difícil. Não se sabe por onde começar"

Mulher de Luís Miguel Grilo confirma que continuam as buscas, mas diz que só há pequenas pistas.

Rosa Grilo, mulher do triatleta de 50 anos desaparecido desde segunda-feira em Alenquer, confirmou ao DN que continuam neste domingo as buscas pelo marido. Mas acrescentou que, apesar das notícias que têm surgido sobre diversas pistas e até um alegado avistamento, não se registaram muitos progressos.

"Continuam à procura mas é difícil. A área é muito grande porque não se sabe por onde começar", contou. "Vou sendo informada pela GNR. As buscas continuam, agora já sem os cães [pisteiros]. Há muita gente à procura, não só da nossa zona, mas já de várias outras aqui à volta. E também temos aqui a família e os amigos a ajudar. Mas não há muitas novidades. Às vezes vão aparecendo umas coisas, como um pacote de gel energético [utilizado pelos atletas], mas é só isso."

"Às vezes vão aparecendo umas coisas, como um pacote de gel energético."

Luís Miguel Grilo desapareceu na segunda-feira, depois de ter saído de casa por volta das 16.30 informando a mulher de que iria fazer um treino. As buscas prosseguem há quase seis dias. Neste sábado, segundo revelou o Correio da Manhã, além das autoridades e dos familiares participaram nos trabalhos vários atletas e até uma associação cinotécnica, que trouxe vários cães.

O telemóvel do triatleta é até agora a pista mais importante. Foi encontrado no chão, na quarta-feira, em Casais de Marmeleira, a cerca de seis quilómetros de casa do desaparecido. Estava desligado mas, de acordo com o noticiado, terá permitido a reconstituição dos seus passos via GPS.

O Correio da Manhã noticiou também, atribuindo a informação a "familiares e amigos" de Luís Miguel Grilo, que o triatleta terá sido visto por uma professora, por volta das 18.00 de segunda-feira, a discutir com um estranho na zona de Arruda dos Vinhos, que dista cerca de 23 quilómetros de Alenquer.

Rosa Grilo disse ao DN que não tem estado a acompanhar as informações que vão circulando - até porque, explicou, nos últimos dias têm surgido "muitas" - para evitar aumentar a ansiedade que, compreensivelmente, já sente. "Não tenho visto as notícias", confessou.

A investigação está atualmente a cargo da Polícia Judiciária.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG