Ministério Público acusa 12 pessoas de homicídio por negligência em Pedrógão

Doze pessoas foram acusadas de vários crimes de homicídio por negligência e de ofensa à integridade física por negligência

O Ministério Público acusou de homicídio por negligência, entre outros, o comandante dos Bombeiros de Pedrógão, Augusto Arnaut, e o segundo comandante distrital da proteção civil, Mário Cerol, na sequência da investigação aos incêndios que lavraram a 17 de junho do ano passado nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Alvaiázere e Ansião. Onde morreram 66 pessoas e mais de 40 sofreram ferimentos.

De acordo com o comunicado do Ministério Público da comarca de Leiria as acusações dão de homicídio por negligência e de ofensa à integridade física por negligência, sendo alguns destes de ofensa à integridade física grave.

Entre os acusados estão os autarcas de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, e o vice-presidente da autarquia de Pedrógão, José Graça. E um funcionário de uma das autarquias.

Além de Augusto Arnaut e Mário Cerol, estará acusado Sérgio Gomes, comandante do Centro Distrital de Operações de Socorro de Leiria.

São ainda acusados dois antigos quadros superiores de uma empresa de fornecimento de energia elétrica, três funcionários da empresa responsável pela manutenção da Estrada Nacional 236-1 - onde morreram cerca de 50 pessoas no dia 17 de junho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG