"Mexeu com uma, mexeu com todas": feministas enchem ruas de norte a sul

Começa hoje, quarta-feira, no Porto, passa por Coimbra e termina em Lisboa na sexta-feira - várias associações feministas insurgem-se contra as sentenças machistas em tribunal.

"A ministra da Justiça tinha dito, aquando do acórdão do juiz Neto de Moura, que um caso não abalava o sistema, mas agora nós começamos a somar muitos casos", começa por explicar Andreia Peniche, porta-voz do movimento feminista A Coletiva. A recente sentença do caso da jovem violada em Gaia - que o tribunal concluiu com pena suspensa para os acusados violadores, declarando "sedução mútua" - seria o que acabaria também por ditar o destino das ativistas feministas portuguesas entre a tarde desta quarta-feira e sexta-feira: nas ruas, em protesto, primeiro no Porto, no dia 27 em Coimbra e, por fim, no dia 28 em Lisboa.

"Mexeu com uma, mexeu com todas" é o mote. A polémica decisão do Tribunal da Relação do Porto foi o suficiente para que A Coletiva decidisse sair à rua em protesto, desta vez para combater aquilo que designam de "cultura de violação" e que Andreia sente estar a ser perpetuada pelos tribunais, "através de sentenças machistas".

O recado que querem transmitir tem, por isso, um destinatário específico: a Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP). Esperam que a entidade "consinta de uma vez por todas que há um problema" e coloque de parte uma atitude defensiva para a substituir por uma atitude mais reativa. "Ao invés de uma reação corporativa, queremos que percebam que a crítica não é um ataque, mas sim um desafio a pensar os problemas e a resolvê-los", explica Andreia Peniche.

"Ao invés de uma reação corporativa, queremos que percebam que a crítica não é um ataque, mas sim um desafio a pensar os problemas e a resolvê-los"

Consciente da existência de "uma sociedade visivelmente e maioritariamente machista", a porta-voz sublinha, contudo, que "os últimos anos têm sido de enorme progresso". "Exemplo disso é este ato público, que não foi marcado apenas porque nós, associações e movimentos feministas, ficamos incomodadas, mas principalmente porque tivemos pressão de muitas pessoas externas ao nosso movimento para nos insurgirmos contra o que se está a passar".

A indignação deu lugar à vontade de transformar e os cartazes e vozes vão erguer-se já nesta quarta-feira para provar que as decisões de um tribunal nunca são apenas "um ataque individual, são um ataque a todas nós", frisa Andreia. E por isso mesmo o movimento rapidamente se expandiu do norte para outras zonas do país.

Convocados através do Facebook

A Coletiva é a organização responsável pela manifestação no Porto, que acontece já esta quarta-feira, às 18h30, na Praça Amor de Perdição, na Cordoaria. Em Coimbra, acontece na quinta-feira, às 18h00, na Praça 8 de Maio, por iniciativa da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR). Já na sexta-feira, a manifestação, convocada pelo movimento Por Todas Nós, tem lugar em Lisboa, às 18h30, na Praça da Figueira.

Todas os eventos foram convocados através do Facebook e apesar de Andreia Peniche não saber quantas pessoas poderão estar presentes no Porto, mais de duas mil pessoas marcaram-se como interessadas em comparecer, através da rede social. Em Lisboa, o número sobe para perto de cinco mil e para Coimbra há cerca de 530 pessoas interessadas em manifestar-se. Mas a ativista lembra que "mais do que uma já seria uma vitória".

Depois das manifestações, as associações esperam que o tema tenha lugar num debate nacional, que junte entidades como a Assembleia da República e o Ministério da Justiça.

A agenda continuará preenchida pelo menos até ao dia 8 de março de 2019, dia em que está marcada uma greve feminista a nível nacional.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.