Turistas presas em elevador de Lisboa ligaram para polícia de Lisbon nos EUA

Mulheres entraram em pânico depois de vinte minutos fechadas

Duas turistas norte-americanas que ficaram presas num elevador na capital portuguesa procuraram na internet o número da polícia de Lisboa escrevendo Lisbon, por isso quem atendeu do outro lado da linha foi uma agente do Departamento de Polícia de Lisbon, no Maine.

A história é contada pelo canal de notícias WCSH-TV. Cathy Roy atendeu uma chamada de duas mulheres norte-americanas que estavam em pânico: tinham ficado presas dentro de um elevador há vinte minutos, pressionado várias vezes o botão de emergência e ainda ninguém lhes tinha respondido. Em desespero, procuraram online o número da polícia de Lisbon. O contacto que surgiu foi o do departamento de Lisbon, no Maine, EUA.

O canal de TV conta que, "apesar da barreira da língua, Roy foi capaz de encaminhar a equipa de emergência para o local onde as mulheres estavam presas".

Ficou uma história para contar e as turistas acabaram por fazer uma amiga, não em Lisboa, que visitavam, mas em Lisbon, uma cidade com 9000 pessoas no norte dos EUA.

Segundo o site da Biblioteca do Congresso norte-americano, há 37 cidades e localidades chamadas Lisbon nos EUA. "Ironicamente, não há Lisboas nos quatro estados que são tradicionalmente associados com a imigração portuguesa - Rhode Island, Massachusetts, Califórnia, and Havai", nota o texto.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.