Telhado de amianto de escola em Vieira do Minho cedeu

Direção encerrou bloco da escola, que acabou por ficar inundado por a cobertura de amianto ter cedido.

Um bloco da Escola Secundária de Vieira do Minho, no distrito de Braga, foi encerrado preventivamente, depois de o vento ter levantado parte da cobertura, que é de amianto, disse esta sexta-feira um membro da direção.

Em declarações à Lusa, Jorge Pereira acrescentou que, de momento, aquele bloco está "isolado e completamente impraticável", tendo já sido contactada a direção regional de Educação do Norte para avaliar a situação e tomar as medidas necessárias para resolver o problema.

"Estamos a falar de amianto e é preciso perceber qual é a verdadeira situação da cobertura, qual é a extensão dos danos e qual o perigo que deles pode resultar para a saúde", referiu.

Disse ainda que o buraco aberto na cobertura propiciou a "inundação" do bloco, na sequência da chuva que caiu nos últimos dias.

Aquele bloco acolhe a biblioteca, salas multimédia e salas de aula de um curso profissional, servindo também de acesso à cantina e casas de banho dos alunos.

A chuva estragou cerca de uma dezena de computadores.

"Esperamos que até ao início do terceiro período letivo o problema esteja resolvido, porque nestas condições o bloco não está em condições de funcionar", sublinhou Jorge Pereira.

O delegado de Saúde já esteve no local e, segundo aquele membro da direção da escola, alertou para a necessidade de uma intervenção "urgente", face à "perigosidade" do amianto.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Vieira do Minho, António Cardoso, disse que o Serviço Municipal da Proteção Civil vai elaborar um relatório sobre a situação que fará chegar à escola.

A Câmara de Vieira do Minho e o Ministério da Educação assinaram em 2016 um acordo para a requalificação naquela escola, mas as obras ainda não arrancaram.

Dos três concursos abertos, dois ficaram vazios, enquanto o vencedor do outro não reuniu as condições necessárias para assumir a obra.

A Câmara já aprovou, entretanto, o lançamento de um quarto concurso, mas o procedimento ainda não foi concretizado.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.