Suspeito de gerir rede internacional de turismo sexual detido em Oeiras

Assi Mooh, ex-militar israelita, foi detido pela Polícia Judiciária esta semana na residência atual em Oeiras. Autoridades suspeitam que estaria a montar uma rede a partir de Portugal idêntica à que criou na Colômbia.

A Polícia Judiciária deteve em Oeiras um ex-militar israelita suspeito de criar e gerir uma rede internacional de tráfico de pessoas, prostituição e turismo sexual.

O suspeito, de nome Assi Moosh, que esteve exilado na Colômbia, tem 45 anos, era procurado pela Interpol desde 2018 e considerado como extremamente perigoso. A detenção foi concretizada pela Polícia Judiciária com a colaboração da Guardia Civil espanhola e a Polícia Nacional da Colômbia.

Segundo um comunicado da Guardia Civil, Assi Moosh foi para a Colômbia em 2009, onde montou uma das maiores redes de prostituição do país. É também suspeito de gerir uma rede de tráfico de pessoas para exploração sexual, incluindo menores, camuflada de negócios turísticos. Ainda colaboraria com organizações de tráfico de drogas e branqueamento de capitais e é suspeito de homicídio agravado.

De acordo com as autoridades colombianas, suspeita-se que o homem estivesse a montar em Portugal e Espanha uma organização criminosa idêntica à que tinha foi desmantelada na Colômbia.

O suspeito foi detetado em Ibiza e depois em Barcelona e o seu rasto conduziu a investigação até Oeiras, onde viria a ser localizado quando se preparava novamente para mudar de residência. Foi detido com a sua parceira e na posse de documentação israelita falsa.

A organização foi alvo de uma operação por parte da polícia colombiana em dezembro de 2018 que resultou na detenção de cinco pessoas e na apreensão de 12 imóveis avaliados em 16 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.