Sismo em Vila Verde pôs casas a tremer mas não provocou danos

Foi ainda registado um outro abalo, a cerca de seis quilómetros a nordeste de Vila Verde, mas este não foi sentido

O sismo de magnitude 3,2 na escala aberta de Richter com epicentro próximo de Vila Verde registado na manhã desta segunda-feira deu para pôr casas a tremer naquele concelho, mas não provocou quaisquer estragos.

"Senti a casa a estremecer, mas até pensei que fosse trovoada. Só mais tarde é que percebi que tinha sido um sismo", disse à agência Lusa o presidente da câmara.

Segundo António Vilela, houve um abalo "forte e bem audível" que, no entanto, não chegou para tirar "nada do sítio" em casa.

Uma versão corroborada pelo comandante dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde, Luís Morais, que adiantou que a corporação não recebeu qualquer pedido de ajuda relacionado com o sismo.

"Eu já estava de pé e senti, realmente, um ligeiro tremer, mas nada mais que isso. Não deu para assustar", afirmou.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o sismo foi sentido às 07:13.

Em comunicado, o IPMA adiantou que não há registo de danos pessoais ou materiais, embora o abalo tenha sido sentido, com intensidade máxima II/III (escala de Mercalli modificada), na região de Vila Verde, distrito de Braga.

Pelas 07:40 foi registado outro sismo, de magnitude 2,1 na escala de Richter, com epicentro a cerca de seis quilómetros a nordeste de Vila Verde, sendo que este último abalo não foi sentido.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.