Sindicato acusa Governo de fazer campanha para denegrir imagem dos professores

Sindicalista Nuno Dias diz que a luta vai continuar, apesar das consequências que isso trará para o ensino

Vários dirigentes do Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) denunciaram esta quinta-feira a existência de uma alegada campanha do Governo para denegrir a imagem dos docentes e fragilizar a posição dos mesmos junto da opinião pública.

"É muita coincidência saírem três relatórios no espaço de uma semana, todos eles a dizer que se houver recuperação do tempo de serviço dos professores, a economia vai derrapar e que é preciso temos de ter cuidado com o défice, por causa da atualização das carreiras", disse à Lusa Nuno Dias, secretário regional do SIPE de Braga e Guimarães.

O dirigente falava à margem de um plenário que está a decorrer durante todo o dia numa escola em Aveiro, para falar sobre as negociações que têm estado a decorrer com o Governo para a recuperação do tempo de serviço, que foi congelado.

Nuno Dias realça ainda a existência de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que terá sido realizado por um membro do Governo e que, segundo o dirigente, contém "informações incorretas".

"O relatório da OCDE tem um monte mentiras sobre aquilo que os professores ganham e aquilo que trabalham em termos de horas, porque os valores estão completamente incorretos", disse Nuno Dias.

O dirigente diz que esta alegada campanha tem como objetivo fragilizar a posição dos professores que lutam pela recuperação do que consideram ser o total do tempo de serviço --- nove anos, quatro meses e dois dias.

"Nós só queremos que o Governo cumpra aquilo que prometeu, aquilo que deixou em lei, que é a recuperação do tempo de serviço para os professores. Para além disso, houve uma recomendação da Assembleia da República para que esse tempo fosse todo recuperado e o Governo não está a cumprir", disse Nuno Dias.

O sindicalista diz que a luta "está para continuar", manifestando-se preocupado com as consequências que isso poderá ter no ensino.

"Estamos muito preocupados com o desgaste que isto está a provocar nos professores que de forma inconsciente poderá refletir-se depois na capacidade de ensino que eles vão ter junto das crianças", disse Nuno Dias.

O dirigente adiantou ainda que existe uma "grande insatisfação" por parte dos professores, adiantando que espera uma "grande adesão" na manifestação nacional que está marcada para 5 de outubro, em Lisboa.

"Se a manifestação se conseguir transformar em toda a insatisfação que temos visto, será uma grande adesão", afirmou.

O SIPE foi uma das dez organizações sindicais de docentes que decidiram avançar para a greve na primeira semana de outubro para pressionar o Governo a contabilizar o tempo de serviço que perderam quando as carreiras estiveram congeladas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.