Quercus de Aveiro apela a suspensão da caça em zonas ardidas

Organização diz que os animais que sobreviveram nas áreas ardidas têm dificuldades em obter abrigo e alimento

O núcleo regional de Aveiro da Quercus apelou esta terça-feira à suspensão da caça nas zonas que arderam no ano passado, por considerar que pode por em causa a sobrevivência das espécies cinegéticas.

Mamodeiro, Nariz, e Nossa Senhora de Fátima são algumas localidades do município de Aveiro onde a floresta está a recuperar dos incêndios de 2017, que afetaram também vastas áreas noutros concelhos do distrito, como Vagos, Arouca e Castelo de Paiva.

Segundo a Quercus, nas áreas ardidas os animais que sobreviveram têm dificuldades em obter abrigo e alimento, situação que é agravada com o calor e a seca, principalmente para os animais juvenis.

"A Quercus considera que a prática da caça nas áreas ardidas não é compatível com a preservação da biodiversidade, pondo em causa a sobrevivência de várias espécies. Por isso, apela às entidades gestoras das zonas de caça e aos caçadores da região que suspendam toda a atividade cinegética nas áreas ardidas e nas zonas envolventes, de modo a garantir a preservação das espécies cinegéticas e a conservação das espécies protegidas", refere aquela associação ambientalista em comunicado.

A Quercus defende também que o início da caça à rola, "a ocorrer, se deveria iniciar apenas na primeira década de setembro, enquanto para o pombo-torcaz e os tordos esta deveria terminar na última década de janeiro".

Quanto à caça aos patos, a associação alerta que "se sobrepõe ao período de reprodução e de migração pré-nupcial de várias espécies, pelo que a respetiva caça deveria iniciar-se na primeira década de outubro e terminar na segunda década de janeiro".

Em relação à galinhola, afirma, "continua a ocorrer um período de sobreposição de 10 dias com o período migratório pré-nupcial", pelo que a caça a essa espécie "deve terminar na primeira década de janeiro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.