Quase um milhão de refeições escolares desperdiçadas

Os alunos do 2º ciclo foram os que mais faltaram, tendo sido desperdiçadas cerca de 398 mil refeições (4,4% do encomendado), seguindo-se os estudantes do 3º ciclo, que desperdiçaram mais de 376 mil refeições (4% do total)

Quase um milhão de refeições escolares que tinham sido encomendadas foram desperdiçadas porque os alunos faltaram, revela o relatório anual do ministério da Educação sobre cantinas concessionadas a privados.

Entre setembro do ano passado e 31 de maio deste ano, as cantinas escolares geridas por empresas privadas serviram mais de 25 milhões de refeições a alunos desde o pré-escolar ao ensino secundário.

No entanto, tinham sido encomendadas mais de 26 milhões, o que significa que não foram servidas 951.923 refeições "pela falta de alunos à refeição", refere o relatório da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) a que a Lusa teve acesso.

Os alunos do 2º ciclo foram os que mais faltaram, tendo sido desperdiçadas cerca de 398 mil refeições (4,4% do encomendado), seguindo-se os estudantes do 3º ciclo, que desperdiçaram mais de 376 mil refeições (4% do total).

O relatório de controlo da qualidade e quantidade das refeições escolares revela ainda que só metade das escolas (49%) pediu refeições vegetarianas este ano.

As refeições escolares servidas por cantinas geridas por privados motivaram 854 queixas, sendo as principais causas de reclamação a falta de pessoal e a qualidade e quantidade dos alimentos

Apesar de a legislação ter passado a obrigar os refeitórios a oferecer esta opção, só em 381 cantinas foi solicitada essa refeição.

Assim, das quase 26.515 mil refeições fornecidas ao longo deste ano letivo, apenas 144 mil se referiam a opções vegetarianas, sendo que também houve um desperdício de 4.673 pratos porque os alunos faltaram.

As refeições escolares servidas por cantinas geridas por privados motivaram 854 queixas, sendo as principais causas de reclamação a falta de pessoal e a qualidade e quantidade dos alimentos.

Depois de mais um arranque de ano letivo marcado por críticas de alunos e encarregados de educação aos refeitórios, o ME desenhou e implementou um plano de controlo da qualidade das refeições.

Foram criadas equipas regionais de fiscalização que, ao longo do ano, realizaram cerca de 80 visitas a cantinas e provaram quase 165 mil refeições, tendo avaliado positivamente esses pratos.

As quase 165 mil refeições testadas pelas equipas de fiscalização tiveram uma avaliação média de "Bom" nos seis itens: confeção, qualidade dos produtos, apresentação do serviço e do pessoal, eficiência e higiene.

Em média, cada refeição servida nos 776 refeitórios concessionados pela DGestE custa cerca de 70 cêntimos

No entanto, a análise destas equipas não previa a avaliação do rácio de pessoal nem a quantidade dos produtos, as duas situações que provocam mais reclamações.

Em média, cada refeição servida nos 776 refeitórios concessionados pela DGestE custa cerca de 70 cêntimos.

Há cinco mil escolas públicas e quase todas têm um refeitório: Dos 1.148 refeitórios nas escolas do 2º e 3º ciclo e secundário, mais de metade (778) é gerido por empresas, sendo os restantes geridos pelas escolas (348) e autarquias (24).

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...