Presidente da República deseja um "começo natural" do ano letivo

Marcelo Rebelo de Sousa disse que tudo depende das negociações entre os sindicatos e a tutela

O Presidente da República desejou "um começo natural e normal" do ano letivo, independentemente do "desfecho bom ou menos bom" da reunião desta sexta-feira entre os sindicatos dos professores e a tutela sobre a carreira de docente.

"O que eu desejo e espero é que seja um começo natural e normal do ano letivo. Independentemente daquilo que venha a sair hoje da reunião, eu já disse e vou cumprir o compromisso, receberei os professores, seja qual for o desfecho da reunião, seja esse desfecho bom, no sentido de haver um entendimento ou menos bom, no sentido de não haver um entendimento", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, no Porto, à saída de um debate sobre Demografia.

"Espero que a normalidade a instituições prevaleça. Quer dizer, que haja um bom começo de ano letivo, eu lá estarei (...)", disse o chefe de Estado.

Para o Presidente da República, tudo "depende do entendimento ou não" entre sindicatos e a tutela.

Esta sexta-feira, a plataforma sindical que junta a maioria dos sindicatos de professores está reunida com o Ministério da Educação para discutir, entre outros temas, a contagem integral do tempo de serviços dos docentes para efeitos de progressão de carreira.

"Cada parte está no seu papel, os sindicatos estão no papel de representar as pretensões dos professores e o Governo no papel de quem sabe que o tempo provavelmente se vai complicar um pouco, sabe quais são os limites financeiros que dispõe, sabe quais são os constrangimentos financeiros que resultam da comparação com outros trabalhadores da Função Pública e atua em conformidade", contextualizou Marcelo Rebelo de Sousa.

"Às vezes é possível haver convergência, outras vezes não é possível, se não houver faz parte da lógica da democracia, como faz se não houver", referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.