Porto Editora justifica corte de versos de Pessoa com alusões pedófilas

Poema "Ode triunfal", de Álvaro de Campos, surge com tracejados no manual de Português para alunos do 12.º ano.

A Porto Editora omitiu três versos de um poema de Fernando Pessoa num manual do 12.º ano, para alunos, por ter "linguagem explícita" e relacionada com pedofilia.

A editora, que manteve os versos no respetivo manual para professores, argumentou que cabe aos docentes decidirem se estudam os referidos versos com os alunos das respetivas turmas.

Em causa está o manual Encontros do 12.º ano, da Porto Editora, onde três versos do poema "Ode triunfal", de Álvaro de Campos, o heterónimo de Fernando Pessoa, foram substituídos por um tracejado: "Ó automóveis apinhados de pândegos e de putas"; "E cujas filhas aos oito anos - e eu acho isto belo e amo-o! - / Masturbam homens de aspecto decente nos vãos de escada".

Segundo uma declaração assinada pela equipa de autores de Encontros 12 e enviada à Lusa pela Porto Editora, o poema "está disponível na íntegra no livro escolar Encontros - 12.º ano, na versão do professor".

Os autores do manual escolar acrescentam que na versão do professor estão sinalizados os versos que foram omitidos na edição do aluno e assim "os docentes podem decidir se abordam em contexto de sala de aula - e de que forma - versos que têm linguagem explícita e se relacionam com a prática da pedofilia".

Autores rejeitam censura

A Porto Editora assume que retirou os versos, mas sublinha "a indicação de que os versos foram cortados é visível tanto graficamente (linhas a tracejado) como através da numeração das linhas".

Para os autores do manual, deve ser o docente, tendo em conta "as características específicas de cada turma", a decidir se têm condições para abordar os versos em falta.

"Os professores conhecem as suas turmas e conhecem o poema integralmente, pelo que saberão também se têm ou não condições para abordarem os referidos versos com o tempo e o cuidado necessários, uma vez que podem, obviamente, constituir fator de desestabilização ou de desvio da atenção dos alunos", acrescentam em resposta à Lusa.

A Porto Editora recusa existir qualquer tentativa de censura da obra de Fernando Pessoa, garantindo que se tratou "apenas e tão-somente uma preocupação didático-pedagógica - seguida pela generalidade dos manuais existentes - que permite aos professores decidirem livremente sobre a abordagem mais adequada junto dos seus alunos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.