Parlamento obrigado a votar descongelamento das carreiras dos professores

Petição conseguiu reunir mais de vinte mil assinaturas - que no entanto ainda não foram validadas. Havendo uma votação, a incógnita será o PSD

O Parlamento vai mesmo ter de discutir - e votar - uma iniciativa legislativa de cidadãos que exige a contagem integral do tempo de serviço dos professores desde o momento em que as carreiras foram congeladas (2011)

Segundo o jornal Público, uma petição nesse sentido atingiu as vinte mil assinaturas - e isso obriga a que a petição seja não só discutida como votada. As assinaturas, recolhidas pela net, não terão, no entanto, ainda sido validadas no Parlamento. Confirmando-se a votação parlamentar, isso obrigará a um esclarecimento da posição do PSD. O PS e o CDS votarão contra, o PCP, BE, PEV e PAN a favor - estando a posição social-democrata em dúvida.

Rui Rio, no entanto, já deu sinais de que o PSD votará ao lado do PS, alegando que o seu partido não pode viabilizar medidas "irresponsáveis" para a contenção orçamental. O Governo já fez saber que contabilizar todo o tempo congelado na carreira dos progressores obrigaria a uma despesa de 700 milhões de euros/ano. António Costa também já afirmou que o Governo não está disponível para apresentar nenhum orçamento retificativo (não o fez até agora e não o quer fazer até ao final da legislatura).

Não é aceitável, que outros cidadãos, nas mesmas circunstâncias, tenham visto repostos os seus direitos, temporariamente suspensos e os professores não. Em causa está o desrespeito de Princípios Básicos e Fundamentais de um Estado de Direito Democrático, designadamente os Princípios da Universalidade e da Igualdade.

"Durante o período da crise económica e financeira, que resultou em restrições generalizadas de despesas no âmbito da administração pública, deram, à semelhança de outros cidadãos, um grande contributo à solução das dificuldades, sofrendo, sem grande contestação face ao quadro nacional, cortes e reduções salariais, aumento da carga fiscal, agravamento do horário de trabalho e degradação das condições materiais de trabalho resultantes dos efeitos sociais da crise nas escolas, das dificuldades materiais de funcionamento e da falta de recursos nas mesmas", lê-se na petição.

A qual acrescenta: "Não é aceitável, que outros cidadãos, nas mesmas circunstâncias, tenham visto repostos os seus direitos, temporariamente suspensos e os professores não. Em causa está o desrespeito de Princípios Básicos e Fundamentais de um Estado de Direito Democrático, designadamente os Princípios da Universalidade e da Igualdade."

Em causa está o atual descongelamento das carreiras. Os professores vão começar a progredir a partir do ponto em que estavam quando as carreiras lhes foram congeladas, em 2011. O que exigem é que a progressão que teria ocorrido desde 2011 (se não tivesse havido o descongelamento seja agora também contabilizada). O Governo afirma que "nunca" fez essa promessa aos professores - apenas o descongelamento puro e simples.

Os sindicatos determinaram uma greve às avaliações mas o Governo contornou-se determinando que os alunos podem ir a exame mesmo sem a avaliação letiva concluída. O MP já está a analisar esta decisão, por iniciativa da Fenprof.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.