Ondas até 21 metros: Depressão Diana deixa Açores em alerta

Ondulação e vento forte vão deixar o grupo Ocidental dos Açores em alerta vermelho na terça-feira, mas depressão chega ao arquipélago já na segunda-feira.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para a próxima terça-feira a passagem da depressão 'Diana' a oeste do arquipélago dos Açores, provocando um "aumento significativo" da intensidade do vento e da agitação marítima em toda a região, com ondas que podem chegar aos 21 metros. A depressão Diana foi assim batizada pelo IPMA, ao abrigo de um protocolo que envolve Portugal, Espanha e França.

Segundo um comunicado do IPMA, está prevista que aquela depressão comece logo a afetar o arquipélago a partir das 18.00 de segunda-feira (17.00 nos Açores) no grupo Ocidental, com "vento forte com rajadas que se irão intensificando", podendo atingir os 130 quilómetros/hora (Km/h) durante o dia de terça-feira. Com base nas previsões da meteorologia, o governo regional e a proteção civil dos Açores avisam que nesse dia, entre as 9.00 e as 18.00, são previstas ondas que em média rondarão os 12 metros, mas podem chegar a uma altura máxima de 21 metros.

Rajadas no grupo Ocidental podem atingir os 130 quilómetros/hora

Para o grupo Central, é esperado, a partir das 09:00 de terça-feira, vento forte com rajadas da ordem dos 120 Km//h e ondas que poderão atingir também os nove metros. O grupo Oriental será o que menos sentirá os efeitos da depressão 'Diana', "pelo que ainda não se prevê, segundo os critérios de emissão de avisos, necessidade de emissão de qualquer aviso", refere o IPMA.

A depressão seguirá depois para as ilhas britânicas, onde os serviços meteorológicos locais já alertaram para o agravamento do estado do tempo a partir do meio da semana.

Conselhos da Proteção Civil dos Açores

- Reforce as amarrações da sua embarcação ou mude-a para local seguro;

- Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas. Afaste-se de áreas baixas junto à costa;

-Reforce as amarrações da sua embarcação ou mude-a para local seguro;

- Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas. Afaste-se de áreas baixas junto à costa;

- Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos ou passeios à beira mar;

- Consolide telhados, portas e janelas;

- Corte ou pode as árvores próximas em risco de queda, procure informação na sua autarquia;

- Guarde os objetos soltos do jardim. Um objeto, mesmo que o considere leve, projetado pelo vento forte pode causar grandes prejuízos materiais e até acidentes pessoais graves;

- Feche bem as janelas e persianas;

- Mantenha limpos os seus sistemas de drenagem, bem como os adjacentes à sua residência, alerte as autoridades competentes;

- Não circule sem necessidade. Pode atrapalhar a circulação das forças de segurança ou cair em buracos ocultados por lençóis de água;

- Em locais não pavimentados, as águas podem causar erosão dos solos, levando à queda de muros, taludes, postes, entre outros;

- Estar atento às informações e indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.