Morreu o cavaleiro Joaquim Bastinhas

Toureiro de 62 anos estava internado há cerca de dois meses no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa

O cavaleiro tauromáquico Joaquim Bastinhas, de 62 anos, morreu às 18.30 de hoje, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, depois de dois meses de internamento nos quais foi colocado duas vezes em coma induzido devido a uma infeção bacteriana contraída após uma operação ao intestino.

A notícia foi avançada por diferentes sites de tauromaquia e por pessoas próximas do cavaleiro através das redes sociais, tendo já sido confirmada à agência Lusa pelo hospital.

Joaquim Bastinhas debatia-se há mais de três anos com problemas de saúde decorrentes de um grave acidente com uma máquina agrícola, na herdade da família, em Elvas, em que sofreu várias fraturas e uma rotura da bexiga. No entanto, tinha regressado às arenas em julho, ao lado do filho mais velho, Marco Bastinhas, no Coliseu Figueirense. Na ocasião deu uma entrevista ao DN onde falou do processo de recuperação e da "fé" que nunca tinha perdido em retomar a carreira.

Em outubro, contudo, regressou ao hospital para uma cirurgia cujas complicações viriam a revelar-se fatais.

De nome de batismo Joaquim Manuel Carvalho Tenório, "Bastinhas" herdou o nome artístico do pai, Sebastião Tenório "Bastinhas", um cavaleiro amador que cedo o influenciou a seguir as suas pisadas. Aos treze anos já fazia apresentações no Campo Pequeno, começando a tourear, sobretudo em Espanha, na década seguinte.

Em 15 de maio de 1983 tomou a alternativa (profissionalizou-se) na corrida do concurso de ganadarias, na Praça de Touros de Évora, tendo por padrinho José Mestre Baptista e por testemunha João Moura.

Desde então, além de tourear por centenas de vezes em algumas das principais praças de Portugal e Espanha, apresentou-se em países como França, Venezuela e México.

Exclusivos