Monchique quer plano de reordenamento económico definido até dezembro

O presidente da autarquia afirma ser necessário fazer "rapidamente" uma intervenção, ou depois "não vale a pena".

O plano de reordenamento económico da serra de Monchique deverá estar pronto até dezembro, para ser implementado durante "seis a sete anos", anunciou este domingo o presidente da autarquia, Rui André, exigindo "medidas de exceção" na sua aplicação.

Em entrevista à Lusa, o autarca afirmou que este plano é "uma oportunidade de corrigir erros do passado" em matéria de ordenamento florestal, permitindo que a população viva num ambiente rural e florestal "em segurança", sem estar a ser "constantemente" ameaçada.

"Não podemos criar uma floresta autóctone só para vislumbre e visita. Ela tem de ter um retorno económico. Esse é um dos grandes desafios", afirmou Rui André (PSD), à frente da autarquia desde 2009, admitindo que algumas espécies invasoras, como o eucalipto, vão ter de ser reconvertidas: "O que não pode acontecer é termos eucaliptos em cima das casas e das zonas urbanas".

O autarca social-democrata sublinhou que para a implementação deste plano é necessário que a "mochila da burocracia" fique de fora, através de "medidas de exceção e de discriminação positiva", já que esta "janela de oportunidade não dura muito tempo".

"Neste momento, as árvores vão começar a regenerar. Se não fizermos rapidamente esta intervenção, daqui a dois ou três anos não vale a pena", sublinhou, afirmando esperar que a disponibilidade do Governo em matéria de desburocratização "não fique só pelas palavras".

Questionado sobre se as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro no sábado são suficientes, Rui André salientou que nenhuma "foi de exceção", já que o Governo propôs mecanismos já existentes para compensar as pessoas que tiveram prejuízos.

"Em princípio serão suficientes, vamos ver. Desde que haja boa vontade e celeridade nos processos penso que as ferramentas que neste momento nos foram apresentadas serão suficientes. É essa a fé que tenho e é nisso que vamos acreditar", afirmou.

O incêndio rural que deflagrou no dia 3 em Monchique, Algarve, combatido por mais de mil operacionais e considerado dominado na passada sexta-feira de manhã, atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Quarenta e uma pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade - uma idosa que se mantém internada em Lisboa.

Segundo o município de Monchique, arderam cerca de 16.700 hectares no concelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.