Monchique quer plano de reordenamento económico definido até dezembro

O presidente da autarquia afirma ser necessário fazer "rapidamente" uma intervenção, ou depois "não vale a pena".

O plano de reordenamento económico da serra de Monchique deverá estar pronto até dezembro, para ser implementado durante "seis a sete anos", anunciou este domingo o presidente da autarquia, Rui André, exigindo "medidas de exceção" na sua aplicação.

Em entrevista à Lusa, o autarca afirmou que este plano é "uma oportunidade de corrigir erros do passado" em matéria de ordenamento florestal, permitindo que a população viva num ambiente rural e florestal "em segurança", sem estar a ser "constantemente" ameaçada.

"Não podemos criar uma floresta autóctone só para vislumbre e visita. Ela tem de ter um retorno económico. Esse é um dos grandes desafios", afirmou Rui André (PSD), à frente da autarquia desde 2009, admitindo que algumas espécies invasoras, como o eucalipto, vão ter de ser reconvertidas: "O que não pode acontecer é termos eucaliptos em cima das casas e das zonas urbanas".

O autarca social-democrata sublinhou que para a implementação deste plano é necessário que a "mochila da burocracia" fique de fora, através de "medidas de exceção e de discriminação positiva", já que esta "janela de oportunidade não dura muito tempo".

"Neste momento, as árvores vão começar a regenerar. Se não fizermos rapidamente esta intervenção, daqui a dois ou três anos não vale a pena", sublinhou, afirmando esperar que a disponibilidade do Governo em matéria de desburocratização "não fique só pelas palavras".

Questionado sobre se as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro no sábado são suficientes, Rui André salientou que nenhuma "foi de exceção", já que o Governo propôs mecanismos já existentes para compensar as pessoas que tiveram prejuízos.

"Em princípio serão suficientes, vamos ver. Desde que haja boa vontade e celeridade nos processos penso que as ferramentas que neste momento nos foram apresentadas serão suficientes. É essa a fé que tenho e é nisso que vamos acreditar", afirmou.

O incêndio rural que deflagrou no dia 3 em Monchique, Algarve, combatido por mais de mil operacionais e considerado dominado na passada sexta-feira de manhã, atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Quarenta e uma pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade - uma idosa que se mantém internada em Lisboa.

Segundo o município de Monchique, arderam cerca de 16.700 hectares no concelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.