Incêndio em Monchique está "dominado". Arderam 27 mil hectares

O fogo de Monchique fez 39 feridos, um deles em estado grave, e obrigou à evacuação de várias zonas habitacionais

O incêndio que lavra há uma semana em Monchique, Algarve, está dominado, confirmou esta manhã Patrícia Gaspar, segunda comandante operacional nacional da Proteção Civil.

No balanço feito em conferência de imprensa, a comandante deu conta de 41 feridos, um em estado grave. Dos restantes feridos, 22 são bombeiros. O número de deslocados diminuiu, entretanto, para 49, precisou.

Patrícia Gaspar garantiu que os operacionais vão manter-se no terreno, para acautelar possíveis reacendimentos. O trabalho dos bombeiros, disse, vai dar lugar progressivamente aos trabalhos de rescaldo e vigilância.

No terreno estão 1 371 operacionais, apoiados por 442 viaturas e dois meios aéreos. O fogo já destruiu cerca de 27 000 hectares, segundo os dados mais recentes disponibilizados pelo Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), tornando-o no maior este ano em Portugal. E o maior da Europa em termos de área ardida.

Este ano, o maior incêndio, em termos de área ardida, que se tinha verificado em Portugal era o que deflagrou em fevereiro na Guarda, onde arderam 86 hectares.

As chamas desde incêndio, que deflagrou na localidade de Perna Negra, provocaram 39 feridos,

Segundo os dados do EFFIS, as chamas em Monchique já destruíram 26 957 hectares, mais de metade dos 41 mil que arderam na mesma região em 2003, nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

No ano passado, as chamas destruíram mais de 440 mil hectares, o pior ano de sempre em Portugal, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Quanto aos maiores incêndios em termos de área ardida ocorridos no ano passado, no topo da lista aparece o que teve origem no dia 15 de outubro, em Seia/Sandomil, no distrito da Guarda, que destruiu 43 191 hectares.

Questionada sobre os prejuízos, Patrícia Gaspar indicou que todas as autarquias afetadas pelos incêndios já têm técnicos no terreno para fazer um levantamento dos danos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.