Monchique: "Fizemos tudo o que devíamos. Mas perdemos tudo à mesma."

Monchique está a revelar-se o grande teste de pressão depois dos incêndios de 2017. A serra parece mergulhada em estado de sítio, tamanho o dispositivo montado. Mas as chamas andam a bailar com esta gente, reacendem fortes sempre que prometem extinguir-se. O que pode afinal fazer o homem para dominar o fogo?

A romaria de São Romão é a grande festa da aldeia de Alferce, um povoado de 300 almas a sete quilómetros de Monchique. Ontem era o dia gordo: havia missa às três e procissão às quatro da tarde, a partir das cinco começava o bailarico. Estava planeada festa rija, primeiro com a atuação de João do Carmo, ao cair da noite com o Rancho de Santo Estevão e madrugada dentro o palco era de Nikita.

Mas, ainda o sino da aldeia não tinha dado as cinco badaladas, quando a GNR entrou na povoação com o aviso de que este não seria um dia de querido mês de agosto. Vinha lá fogo, anunciaram. E veio sim, rápido e forte. Quando se fechou a quermesse e a barraca de venda da cerveja, já as chamas roçavam o fundo do vale. Quinze minutos depois, chegavam às primeiras casas. Nunca ninguém tinha visto nada assim.

"Fizemos tudo, tudo, tudo o que devíamos fazer", diz Hélio Guerreiro, que na noite de ontem viu as chamas engolirem uma parte da sua casa e todos os sobreiros e medronheiros que garantiam o sustento da família. "Limpámos os terrenos todos em maio e gastámos uns bons milhares de euros com a brincadeira. As estradas aqui tinham sido limpas, água não nos falta, fizemos sempre o que nos disseram. E perdemos tudo à mesma."

Emociona-se, logo ele que não está habituado a mostrar fraqueza. Foi futebolista profissional a vida toda, oito anos no Portimonense, outros tantos em Inglaterra. A terra que os pais plantaram durante décadas serviu-lhe para enterrar a bola de vez. "Era o meu refúgio isto. Mas o pior não sou eu. Como é que vou pedir aos meus pais, que têm quase 80, para recomeçam a vida do zero?"

A Guarda aconselhou a evacuação, que o povo fosse para São Marcos da Serra - a estrada para Monchique já não estava transitável. Saíram sobretudo idosos e pessoas com mobilidade reduzida. Mas Alferce é uma das maiores aldeias da região e a Proteção Civil já lá tinha andado a explicar o que fazer quando o fogo chegasse, o centro da povoação era lugar seguro. "Estávamos de alguma forma preparados. Mesmo que nunca se esteja preparado para uma coisa destas."

Hélio acredita que a tragédia não foi pior por um único motivo: São Romão. "Os bombeiros só apareceram depois de o fogo passar, mas como era dia de festa estava cá muita rapaziada nova e conseguimos fazer alguma coisa." A aldeia tem quatro veículos cisterna, foram fornecidos meses antes pela proteção civil. Quando o fogo começou a beijar as primeiras habitações, os mais novos fizeram-lhe frente. Não salvaram tudo, mas evitaram que ele entrasse aldeia adentro. Perderam tudo, menos as vidas. "Bem vistas as coisas, podia ter sido pior."

O primeiro grande teste

No final do quarto dia de incêndio, a serra de Monchique parece um território em guerra. Há checkpoints policiais a cada cruzamento, há veículos com todo o tipo de homens e mulheres fardados a circularem pelas estradas, há sirenes constantes, há uma cortina de fumo, há voos rasantes de helicópteros e aviões.

Na segunda-feira havia 964 operacionais no terreno e, nos dias anteriores, chegaram a estar mais de 1000. Mais 291 veículos, mais uma dezena de meios aéreos. Há bombeiros e GNR, corpos de sapadores e da Cruz Vermelha, militares do exército e fuzileiros. E políticos.

O secretário de estado da Proteção Civil está constantemente no terreno, o ministro da Administração Interna também já visitou o centro de operações, António Costa já falou publicamente sobre o avanço dos trabalhos na serra algarvia. O governo sabe que este é o momento do tudo ou nada. Monchique não só é grande fogo do ano como é o primeiro grande fogo depois dos incêndios de 2017. E, se os relatórios das Comissões Técnicas Independentes apontaram no ano passado falhas atrás de falhas, este ano sente-se bem a pressão para que não haja o mínimo erro.

As evacuações das aldeias estão a ser feitas sem contemplações, às vezes de forma agressiva. José Rosa é um dos poucos habitantes da Cerca da Rita, onde só mora uma dezena de almas. Os últimos meses passou-os ele limpar os terrenos à volta de casa, por isso nunca acreditou que o fogo ali chegasse sem que o homem lhe pudesse dar luta. "Olhe, parece que foi instituída a lei marcial. Disseram-me que saía nem que fosse à força. Caramba, eu não fiz nada de mal, só queria defender a minha terra."

Ainda ninguém lhe tirou da cabeça que, se tivesse ficado, conseguiria salvar os animais e os armazéns onde guarda as alfaias agrícolas. Mas a polícia não teve contemplações. Na aldeia de Umbria, uns quilómetros adiante na mesma estrada desolada, a nacional 267, fala-se do vizinho que foi algemado por se recusar a sair. Velhotes, como todos aqui. Mas as ordens estão definidas: bem pode arder o mato, bem podem arder casas, mas as autoridades vão fazer tudo o que puderem para que não se perca uma vida neste incêndio.

Mesmo para os jornalistas, a informação vem de uma só voz e a horas marcadas. O comando organiza várias conferências de imprensa diárias para dar conta dos desenvolvimentos do fogo. Bombeiros, guardas e militares têm ordens para não falar. Nada pode falhar, nem sequer a comunicação. É que, ainda por cima, Monchique foi o concelho que António Costa visitou em junho para dar visibilidade ao bom exemplo que ali estava a ser feito na limpeza de matos. As autoridades tentam controlar tudo, sim. Só não estão a conseguir controlar o fogo.

Aquilo que não devia arder

A serra algarvia estava identificada como uma das zonas de maior risco pelo ministério da Administração Interna. E há um ano que se ouvia esta conversa informal entre bombeiros do país inteiro: este era o cenário mais do que provável para o próximo grande incêndio.

"Sabíamos isso e preparámos tudo o que podíamos preparar", diz Rui André, presidente da câmara de Monchique. "Contratámos 15 empresas do município para limpar as matas, além do corpo de sapadores que tínhamos em funções na câmara. Fizemos um contrato especial para limpar totalmente as redes viárias, dez metros para cada lado. Foi um esforço enorme."

Por isso é que o autarca diz que nunca esperou que o fogo durasse todo este tempo, que se alimentasse da floresta tantos dias. "Temos o problema que muita gente tem: metade do nosso coberto é eucalipto. Mas a floresta é um dos três pilares da economia do concelho. Os outros são a água e a pedra. Repare, temos uma floresta que limpámos, temos pedra e temos água de sobra. Não se percebe como isto arde desta maneira."

Ao seu lado levantam agora os helicópteros que estiveram parados todas a manhã, o vento amainou e é possível agora usar os meios aéreos. Apesar do cansaço, Rui André está positivo. O dia de combates corre bem, 95 por cento do fogo está dominado, o resto é complicado, mas não faltam homens no terreno.

Ao cair da tarde, levanta-se uma ventania danada e muitas das zonas que estavam já em rescaldo têm reacendimentos. O fogo cresce, volta a rodear a vila. Aparecem novos focos, rápidos, volumosos. De repente, as chamas passam as margens de um ribeiro e voltam a por em perigo as casas. Fóia é evacuada, o pesadelo volta, parece nunca mais terminar.

"Não se resolve num ano décadas de abandono da floresta", contava o agente de uma equipa de reconhecimento e avaliação, preocupado com a velocidade de avanço das labaredas. "As matas têm camadas e camadas de matéria combustível, estão cheias de eucaliptos, as temperaturas estão cada vez mais extremas e os níveis de humidade estão assustadoramente baixos."

Esta noite há centenas de homens exaustos a travarem um combate que tarda em ver vitória. E isso pode muito bem ser uma lição. A humanidade bem pode prevenir-se contra os estragos, mas nunca conseguirá dominar totalmente a Natureza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.