Metro: Conselho de ministros aprova linha circular de Lisboa

Expansão dos metros de Lisboa e Porto foi aprovada esta quinta-feira. Na capital o investimento será de 210 milhões de euros. No Porto de 307 milhões. Em ambos os casos as obras vão decorrer entre 2019 e 2023.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira a expansão dos metros de Lisboa e Porto. No caso da capital é a confirmação da ligação entre o Rato e o Cais do Sodré, um troço com dois quilómetros. Fica também garantida a construção de duas estações: Estrela e Santos. Ou seja, fica garantido a linha circular que já tinha sido anunciada.

Quanto ao metro do Porto, de acordo com uma nota do Ministério do Ambiente e da Transição Energética, fica prevista a construção de uma nova linha (Rosa) entre a Casa da Música e São Bento, numa extensão de 2,8 quilómetros e com quatro novas estações subterrâneas: Casa da Música, Galiza, Hospital de Santo António e São Bento.

Em relação às obras, em Lisboa a empreitada inclui a remodelação das instalações do Cais do Sodré e intervenções nos viadutos do Campo Grande, de forma a ligar as linhas Verde e Amarela.

O custo total das obras no metro da capital ascendem a 210 milhões de euros, com a comparticipação de 83 milhões de euros através de fundos comunitários (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos). De acordo com o ministério, estes trabalhos terão início no primeiro semestre de 2019, prevendo-se a conclusão em 2023.

Já no Porto a empreitada contempla ainda a expansão da Linha Amarela, entre Santo Ovídeo e Vila d'Este, com um troço de 3,2 quilómetros e três novas estações (Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Vila d'Este), bem como a construção de um Parque de Material e Oficina, em Vila d'Este.

A empreitada, que decorrerá, segundo o MATE, entre o primeiro semestre de 2019 e 2023, terá um custo superior a 307 milhões de euros, comparticipados em 107 milhões de euros por fundos comunitários (PO SEUR).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.