Metro: Conselho de ministros aprova linha circular de Lisboa

Expansão dos metros de Lisboa e Porto foi aprovada esta quinta-feira. Na capital o investimento será de 210 milhões de euros. No Porto de 307 milhões. Em ambos os casos as obras vão decorrer entre 2019 e 2023.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira a expansão dos metros de Lisboa e Porto. No caso da capital é a confirmação da ligação entre o Rato e o Cais do Sodré, um troço com dois quilómetros. Fica também garantida a construção de duas estações: Estrela e Santos. Ou seja, fica garantido a linha circular que já tinha sido anunciada.

Quanto ao metro do Porto, de acordo com uma nota do Ministério do Ambiente e da Transição Energética, fica prevista a construção de uma nova linha (Rosa) entre a Casa da Música e São Bento, numa extensão de 2,8 quilómetros e com quatro novas estações subterrâneas: Casa da Música, Galiza, Hospital de Santo António e São Bento.

Em relação às obras, em Lisboa a empreitada inclui a remodelação das instalações do Cais do Sodré e intervenções nos viadutos do Campo Grande, de forma a ligar as linhas Verde e Amarela.

O custo total das obras no metro da capital ascendem a 210 milhões de euros, com a comparticipação de 83 milhões de euros através de fundos comunitários (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos). De acordo com o ministério, estes trabalhos terão início no primeiro semestre de 2019, prevendo-se a conclusão em 2023.

Já no Porto a empreitada contempla ainda a expansão da Linha Amarela, entre Santo Ovídeo e Vila d'Este, com um troço de 3,2 quilómetros e três novas estações (Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Vila d'Este), bem como a construção de um Parque de Material e Oficina, em Vila d'Este.

A empreitada, que decorrerá, segundo o MATE, entre o primeiro semestre de 2019 e 2023, terá um custo superior a 307 milhões de euros, comparticipados em 107 milhões de euros por fundos comunitários (PO SEUR).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.