Menos alunos chumbaram no ano passado

Mantendo a tendência dos últimos quatro anos, aumentou a taxa de transição e conclusão dos alunos do ensino básico

O número de alunos que chumbam voltou a diminuir no passado ano letivo, com destaque para os estudantes do 1.º ciclo, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Ministério da Educação. Pelo quarto ano consecutivo, aumentou a taxa de transição e conclusão dos alunos do ensino básico: 94,5% dos alunos concluíram o ano letivo 2016/2017 com sucesso, revela o relatório anual "Estatísticas da Educação".

Entre os alunos do 1.º ciclo, a redução de chumbos começou a registar-se no início do século, uma tendência quebrada apenas em 2010. No ano letivo 2014/2015, 95,9% dos alunos conseguiram terminar o 1.º ciclo com sucesso, situação que veio a melhorar até ao passado ano letivo, quando chumbaram 3% dos alunos.

No ano passado, do 1.º para o 2.º ano de escolaridade nenhum aluno ficou para trás porque a lei não o permite, mas do 2.º para o 3.º ano mais de 7% dos estudantes tiveram de repetir. Nos dois últimos anos do 1.º ciclo, as taxas de sucesso superaram os 97%. Entre os alunos do 2.º ciclo, 5,8% dos alunos chumbaram no ano passado, segundo os dados agora revelados, que mostram que os resultados têm vindo a melhorar nos últimos quatro anos.

No ensino básico, o 3.º ciclo é o mais problemático: apenas 91,5% dos estudantes passou no ano passado, sendo que este é o melhor resultado dos últimos cinco anos (em 2012/2013, chumbaram 15,9% dos alunos). No secundário, as taxas de retenção têm vindo a diminuir desde o ano letivo de 2011/2012. No ano passado 5,1% dos alunos não conseguiram terminar o ano com sucesso.

Os dados mostram que o 12.º ano continua a ser o mais problemático com um em cada quatro alunos (26,2%) a não conseguir concluí-lo com sucesso.

O ministério da Educação sublinha, em comunicado, que houve um aumento de 2,1% de alunos a frequentar o secundário e atribuiu esta evolução positiva das taxas de sucesso "ao esforço colocado pelas escolas no desenvolvimento das estratégias locais, no âmbito do Programa de Promoção do Sucesso Escolar", que foi lançado em 2016.

Os dados divulgados apontam também para um aumento de adultos inscritos em programas de formação, duplicando os valores do ano letivo anterior, em resultado do primeiro ano de aplicação do programa Qualifica.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.