Bombeiros acorreram a mais de 40 inundações em Lisboa

Tempestade levou a que Proteção Civil lançasse aviso para cheias e quedas de árvores

Os Sapadores Bombeiros de Lisboa registaram, entre as 14:00 e as 17:00 de hoje, 43 inundações na capital, sendo que 31 são na via pública e 12 em espaços privados, disse à Lusa o chefe José Rocha, daquele regimento.

"As situações piores registaram-se nos túneis da Avenida de Berlim e no do Campo Pequeno, mas já estão ambos desimpedidos e abertos ao trânsito", adiantou o chefe.

Este responsável acrescentou ainda que, além dos dois túneis, "a situação esteve mais complicada na Praça de Espanha e no cruzamento da Avenida dos Estados Unidos com a Gago Coutinho".

José Rocha espera que, "a partir das 18:00, as condições meteorológicas melhorem, tal como está previsto", mas, entretanto, alerta para o "cuidado na circulação rodoviária".

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) lançou hoje um aviso amarelo devido à previsão de chuva persistente e por vezes forte em 16 distritos de Portugal continental: Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Guarda, Coimbra, Viseu, Aveiro, Castelo Branco, Leiria, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal e Évora.

O IPMA colocou também sob aviso amarelo toda a costa portuguesa devido à previsão de agitação marítima forte até ao meio da tarde de hoje, prevendo-se ondas de oeste com 04 a 05 metros.

O aviso amarelo, o terceiro da escala, revela situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Por causa da agitação marítima, nove barras estão hoje fechadas a toda a navegação e outras três estão condicionadas.

De acordo com a Autoridade Marítima Nacional, as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Douro, S. Martinho de Porto e Ericeira, no continente, e a barra de Lajes do Pico, nos Açores.

As barras de Aveiro e da Figueira da Foz estão fechadas apenas a embarcações com comprimento inferior 15 e 35 metros, respetivamente.

Segundo a Marinha, a barra de Viana do Castelo está condicionada a embarcações de comprimento inferior a 12 metros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.