Mão criminosa? PJ recolheu artefactos pirotécnicos no fogo da Sertã

Polícia Judiciária tem no terreno inspetores a investigar os incêndios

A Polícia Judiciária já recolheu indícios e elementos de natureza criminosa sobre o incêndio que deflagrou no sábado no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, disse à Lusa fonte oficial.

A mesma fonte adiantou que já foram recolhidos no terreno "alguns elementos e artefactos que poderão ter estado na origem do incêndio".

Estes incêndios, sublinhou, tiveram da parte dos alegados autores um "conhecimento e preocupação significativa", nomeadamente porque os pontos e o momento escolhido, "cerca das 14:40, foram de forma a potenciar prejuízos patrimoniais e até pessoais".

Elementos da diretoria do Centro da PJ estão no terreno e continuam a investigação à ocorrência.

O incêndio no concelho da Sertã, que ao início da noite de hoje foi dado como dominado, dura há mais de 24 horas e mobiliza quase 300 operacionais e dois meios aéreos.

Também no distrito de Castelo Branco, começou à mesma hora de sábado um incêndio na localidade de Fundada, Vila de Rei, que se estendeu depois ao concelho de Mação, permanecendo ativo há quase 29 horas e que está a ser combatido por 855 operacionais, apoiados por 262 viaturas e 15 meios aéreos.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.