Maior sindicato de enfermeiros diz que nunca apoiou greves cirúrgicas

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses nunca apoiou formas de luta radicais assumidas pelas estruturas que decretaram as greves cirúrgicas. E, em carta agora dirigida ao Sindepor, responsabiliza esta estrutura e a ASPE pela situação a que a classe chegou

O maior sindicato de enfermeiros do país, que integra 16 mil associados, segundo apurou o DN, vem agora tomar posição pública sobre as greves cirúrgicas, nos blocos operatórios, decretadas pela ASPE (Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros), Sindepor (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) e Sindicato dos Enfermeiros, e apoiadas por alguns movimentos de enfermeiros, como o BASTA.

Numa carta datada de 7 de fevereiro e publicada no site oficial, o SEP, em resposta a um pedido do Sindepor para uma reunião conjunta com o objetivo de avaliar novas formas de luta, critica as ações de luta radicais assumidas até agora e sublinha que estas criaram "uma ímpar impregnação social negativa", que "complexificaram a gestão da estratégia político-sindical."

Este sindicato responsabiliza tanto a ASPE com o Sindepor pelo "abalroar" de toda a unidade entre a classe que tinha sido possível alcançar e que foi firmada num 'Acordo de Compromisso', a 14 de maio de 2018. Mesmo assim, a direção nacional do SEP assume estar disponível para participar numa reunião com todas as estruturas, desde que "se identifiquem claramente os objetivos específicos" desta e desde que estes estejam centrados no processo Carreira de Enfermagem, conforme estava indicado no 'Acordo de Compromisso'.

No documento, o SEP dá ainda como ponto assente que quaisquer "formas de luta" que possam vir a ser seguidas devem "ser consensualizadas e ajustadas aos objetivos", não podendo estas ser "divulgadas sem prévia apreciação e decisão dos competentes órgãos do seu sindicato".

O sindicato exige ainda que em qualquer reunião que possa acontecer só devem estar presentes "os sindicatos de enfermagem que firmaram o 'Acordo de Compromisso'", nomeadamente ASPE, Sindepor, SE, SERAM (Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira), SEP e SIPE (Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem). Dando assim a entender que os movimentos de enfermeiros que têm defendido ações mais radicais não a devem integrar.

O SEP recorda ainda na carta, e "para que se clarifique a posição de cada sindicato", várias situações que ficaram definidas no 'Acordo de Compromisso' e que não foram cumpridas pela ASPE e pelo Sindepor.

E começa: " O documento assinado consagrava 10 princípios gerais relativamente à alteração da Carreira de Enfermagem" e ainda que a articulação de "estratégias de intervenção e de luta inerentes ao processo negocial da carreira." No entanto, em agosto, e apesar das reuniões conjuntas entre todos as estruturas realizadas a 12 de junho e a 10 de julho de 2018, a ASPE e o Sindepor, sem que "existisse qualquer discussão e articulação com os restantes sindicatos, divulgaram a sua proposta integralmente pormenorizada de carreira."

Logo nesta altura, a FENSE, (Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros que integra o SEP e o SIPE), auto-excluiu-se de reuniões que vieram a decorrer entre os outros sindicatos para definirem tais formas de luta.

Contudo, a FENSE participa nas greves nacionais de setembro e de outubro e na manifestação de 19 de outubro. De novo, logo a pós a manifestação, a ASPE e Sindepor expressam apoio público "a formas de luta não discutidas nem consensualizadas com o SEP e com o SERAM."

No dia 23 de outubro, data para a qual estava marcada uma reunião entre todos os sindicatos, a ASPE e o Sindepor, não estiveram presentes, vindo mais tarde a saber-se, refere o SEP, "que estiveram reunidos com movimentos de enfermeiros promotores de outras formas luta, avançando com pré-avisos de greve."

Uma atitude que o SEP, na carta que envia ao Sindepor, refere mesmo que, "sem margem para dúvida, todo este comportamento abalroaria qualquer possibilidade de estratégia conjunta em torno do processo negocial. Todos estes atropelos factuais ao 'Acordo de Compromisso' promovidos por vossa única e direta responsabilidade, destruíram o que tínhamos construído de união."

Perante este quadro, o sindicato sublinha, que "a nossa responsabilidade para com a enfermagem, com os enfermeiros, e, em particular, com os nossos sócios, não viabiliza a disponibilidade para quaisquer iniciativas que aprofundem o quadro acima referido."

O sindicato refere estar consciente do "ataque sem precedentes que está lançado aos enfermeiros", reafirmando que o seu compromisso "é, como sempre foi, e será com a enfermagem e com os enfermeiros". Por isso, diz estar disponível para "continuar a lutar coerente, justa e conscientemente pela melhoria das condições de vida e de trabalho da classe".

O sindicato sublinha "não esquecer que toda esta insatisfação da classe resulta da forma como temos vindo a ser desconsiderados nas nossas justas e legítimas expectativas pelos sucessivos governos entre os quais se enquadra também o atual."

O SEP está em sintonia com as reivindicações dos enfermeiros e com a luta pela valorização do exercício da profissão, mas distancia-se das formas de luta encetadas que resultaram até agora num longo braço de ferro entre sindicatos e governo.

As greves cirúrgicas decretadas até agora por alguns dos sindicatos de enfermeiros tem gerado grandes discussões, com pareceres da procuradoria-geral que referem que são legais, mas também ilícitas, no caso de os dias de greve serem escolhidos pelos próprios enfermeiros. As greves têm sido apoiadas por um crowdfounding que o governo agora exige saber a sua origem.

O governo de António Costa deu por finda a negociação com os sindicatos a 31 de janeiro. No dia 7 de fevereiro o governo decretou a requisição civil para quatro centros hospitalares, em que considera que não foram cumpridos os serviços mínimos. Carlos Ramalho do Sindepor já veio dizer que tal não é verdade e que não aconteceu.

Desde o dia 31 de janeiro e até agora, já foram adiadas 1500 cirurgias, segundo anunciou nesta sexta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.