Juiz José Lameira eleito vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura

José Sousa Lameira é o novo vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura (CMS). Lidera a lista B, que venceu as eleições com 990 votos, contra 541 da lista A, liderada por Belo Morgado.

José de Sousa Lameira conseguiu 990 votos contra os 541 alcançados pela lista A, encabeçada pelo juiz Belo Morgado, que se recandidatou à vice-presidência nas eleições que decorreram esta quinta-feira. Votaram 1.665 magistrados, sendo que 106 votaram em branco e 28, nulo.

A lista B elegeu cinco dos sete vogais do CSM que estavam a sufrágio e a lista A dois vogais.

O presidente do Supremo Tribunal de Justiça e por inerência presidente do CSM, conselheiro António Joaquim Piçarra, congratulou-se, em declarações à Lusa, "pela votação expressiva".

"Estas eleições revelam uma escolha, um caminho para os próximos anos e realço, com muita satisfação, a adesão expressiva por parte dos juízes", afirmou António Joaquim Piçarra, ressalvando que a votação "não deixa agora de representar uma mudança".

Passa a ser a seguinte a composição dos juízes vogais do CSM: pelo Supremo Tribunal de Justiça, juiz conselheiro José de Sousa Lameira; pelos tribunais da Relação, os desembargadores Jorge Simões Raposo e Leonel Serôdio e pelos tribunais de 1.ª Instância, os juízes Susana Costa Cabral (Lisboa), José Monteiro Correia (Porto), Lara Mendes Martins (Coimbra) e Sofia Martins da Silva (Évora).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.