Greve na PJ. Inspetores fazem ultimato a Costa

Sindicato dá uma semana ao governo para alterar estatuto profissional dos polícias. Caso contrário, não desmarca a greve.

A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC)​​​​​​ da Policia Judiciária agendou uma greve a partir de dia 2 de agosto e por tempo indeterminado durante o horário suplementar (entre às 17:00 às 9:00).

"Esta é a vontade dos nossos associados, demonstrada esta manhã nas assembleias regionais nas quais decidiram rejeitar os termos da proposta de revisão dos estatutos profissionais da Polícia Judiciária apresentada pelo Governo. A insatisfação dos inspetores também já foi comunicada à direção nacional da PJ", pode ler-se no comunicado do sindicato.

Os inspetores dão uma semana, a partir de hoje, ao governo para "concretizar as promessas de reconhecer um estatuto da carreira digno aos profissionais da Polícia Judiciária e de reforçar o combate à corrupção". Caso contrário, não desmarcarão a paralisação.

A revisão do estatuto da polícia está a ser trabalhada no Ministério da Justiça, com a participação da ASFIC da PJ, há quatro anos, desde a tomada de posse do atual governo. A versão final, publicada no Boletim de Trabalho e Emprego, foi o ponto de partida para as negociações formais, que o presidente do sindicato, Ricardo Valadas, tem considerado "um atentado à carreira da investigação criminal e uma afronta".

Segundo o sindicalista, há questões remuneratórias que implicam a perda de dinheiro para alguns profissionais (que vão desde 25 a 400 euros) e há falta de compensações financeiras e de progressão na carreira dos inspetores.

Em abril, durante a cerimónia da entrada ao serviço de 120 novos inspetores, o primeiro-ministro afirmou o empenho do governo na valorização "do pessoal da investigação criminal" nas carreiras. "Esperamos poder aprovar este estatuto em breve para que os profissionais desta casa tenham as melhores condições para cumprir as suas funções e a carreira a que têm o direito a aspirar", disse na altura António Costa, interrompido por ações de protesto dos polícias.

A PJ tem neste momento menos de 1000 inspetores criminais, um mínimo histórico,​​​​​​ e a média etária mais elevada de sempre.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.