Malveira da Serra passa madrugada cercada pelas chamas

Bombeiros lutam para impedir propagação a habitações. Fogo combatido por mais de 600 operacionais

O vento forte provocou esta madrugada reacendimentos no incêndio na Malveira da Serra, um dos focos mais graves do fogo que atinge a zona se Sintra-Cascais. Áreas que estavam aparentemente em fase de resolução voltaram a reacender-se cerca das 4:00.

Pelo menos duas casas de alojamento local na aldeia foram atingidas pelas chamas, apurou o DN. Desde cerca das 3:00, a maior preocupação dos bombeiros era proteger as habitações desta povoação.

Não há registo de feridos. Os habitantes foram retirados ou saíram voluntariamente da zona. A GNR fez patrulhas e a bater às portas em busca de pessoas que não tivessem abandonado as suas casas. A Proteção Civil fez um ponto de situação cerca das 4:30 no qual foi revelado que ao todo foram retiradas 47 pessoas de suas casas:

Francisco Espírito Santo, de 72 anos, vive com a mulher em Malveira e confessou ao DN que não sabe bem o que fazer: "Estou com cá fora a ver se é preciso ir embora. Isto voltou a acender. Tudo vai depender do vento."

O incêndio deflagrou sábado à noite na zona da Peninha, freguesia de Colares, em Sintra, passou a Estrada Nacional n.º 247 e propagou-se em direção a Figueira do Guincho. Casas das aldeias de Biscaia e Figueira do Guincho e Aldeia do Juzo, em Cascais, e Almoinhas Velhas, Sintra, foram evacuadas. Também um parque de campismo da zona do Huincho foi evacuado. Estas pessoas foram encaminhadas para o Centro Recreativo da Malveira.

Às 4:00 o incêndio estava a ser combatido por 644 operacionais e 189 veículos, de acordo com a informação disponibilizada na página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC). Nessa altura, havia também operacionais de Santarém, Setúbal e Leiria no combate às chamas.

As habitações da aldeia de Biscaia, na zona de Alcabideche, Cascais, foram as primeiras a ser evacuadas por precaução, perto da 01:00 da madrugada. Seguiram-se Figueira do Guincho, em Cascais, e Almoinhas Velhas. ​​​Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, já tinha admitido evacuar populações junto à Praia do Guincho, falando em "populações" no plural, mas sem revelar quais. No entanto, fonte da Proteção Civil confirmou tratar-se de Biscaia e Figueira do Guincho, Aldeia do Juzo e Almoinhas Velhas.

A webcam colocada na praia do Guincho para dar apoio ao surf permitiu durante a noite ver as chamas da perspetiva da praia:

Marcelo acompanhou operações com Basílio em Sintra

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, revelou que "o vento violentíssimo" dificultou o combate às chamas e criticou ainda a falta de meios aéreos para combater o fogo. A situação preocupava o edil e não só. Pouco tempo depois de ser dada a notícia, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deslocou-se a Sintra para acompanhar as operações, tendo o presidente voltado depois à sua residência em Cascais.

O chefe de Estado deixou a câmara cerca de meia hora depois e mantém-se em contacto com o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras (PSD), uma vez que as chamas evoluíram para a zona da Biscaia.

Já perto das 03:00, Basílio Horta revelou no Facebook que a situação em Sintra "estava controlada". "A situação em Sintra está controlada e estou certo que em Cascais estará em breve. Vai ser uma longa noite de vigilância. Faço um apelo a todos: muita vigilância e calma. A todos os envolvidos hoje, nos últimos meses e anos na salvaguarda e proteção da Serra de Sintra, obrigado. Hoje está a ser um tremendo teste à nossa capacidade de reação", escreveu o presidente da Câmara Municipal de Sintra.

O quarto incêndio nos últimos dias

Este é já o quarto incêndio a deflagrar na zona de Sintra. Três estão a ser investigados pela Polícia Judiciária (PJ), segundo noticiou este sábado o jornal digital Cascais 24. Um deles deflagrou ainda este sábado, entre Murches e Zambujeiro, na área do Parque Natural Sintra-Cascais.

Segundo a informação na página da Proteção Civil (ANPC), o alerta do quarto incêndio foi dado às 22:50. Nessa altura, fonte da Associação Bombeiros Voluntários Sintra disse ao DN que o incêndio se dirigia "da Peninha para Malveira da Serra" e a situação era "muito grave", podendo "haver evacuação de localidades". O que aconteceria depois.

A zona do convento da Peninha situa-se no perímetro do Parque Natural de Sintra-Cascais, numa área muito exposta aos ventos marítimos.

Entretanto, nas redes sociais surgem imagens do incidente:

Com Ricardo Simões Ferreira

Notícia atualizada às 4:50

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.