Há 25 anos Fernando Varela alertava para o perigo dos eucaliptos na serra de Monchique

Em artigo publicado no DN em 1993, o engenheiro silvicultor apelava a que as autoridades olhassem "para além do petróleo verde", referindo-se ao eucalipto.

"Imaginem só como podia ser paradisíaca a serra de Monchique com menos eucaliptos, com uma bela floresta diversificada." O desabafo foi feito por Fernando Varela, engenheiro silvicultor, num artigo publicado na revista do Diário de Notícias em 1993, tal como recordava ontem a historiadora Raquela Varela num post no Facebook, lembrando ainda como há três décadas o pai "fez um plano de reflorestação de Monchique".

"O 'plano de Monchique', que, entre outras coisas, previa floresta mediterrânea autóctone para evitar os fogos nunca saiu da gaveta dos serviços florestais, trancada a sete chaves pelos interesses ultraminoritários da pasta de papel, um Estado dentro do Estado que faz este país arder e nós todos pagar para apagar fogos que não podem ser apagados nem controlados, apesar de hoje gastarmos uma parte dos impostos cada vez maior em meios de combate aos incêndios, um gigante orçamento que umas horas de vento engolem de um trago", escreveu a historiadora no dia em que o incêndio que arde na serra de Monchique desde sexta-feira passada atingiu o seu ponto mais complicado, ameaçando a cidade.

Engenheiro silvicultor, Fernando Varela foi subdiretor regional de agricultura e, nessa condição, deu parecer negativo ao abate de sobreiros no caso Portucale. Sempre lutou contra a eucaliptização do país e pensou o equilíbrio entre campo e cidade, lembra a filha.

No texto publicado em 1993 e intitulado "Para lá do petróleo verde", Fernando Varela afirmava que "os principais problemas que afetam o setor florestal português - incêndios, eucaliptização, degradação da floresta mediterrânica, subaproveitamento das potencialidades - só podem ser resolvidos se dos responsáveis aos quadros intermédios houver capacidade para uma abordagem sistémica, uma visão macroscópica e uma conceção ecológica e patrimonial da floresta."

"Os incêndios consumiram em Portugal desde 1974 perto de um milhão de hectares de floresta - para cima de 1/4 do total - com especial gravidade nas áreas de pinhal. O corte das madeiras queimadas tornou-se o modo mais comum da exploração florestal e à sombra das chamas e até do seu combate e da rearborização dos ardidos fecharam-se ciclos infernais de negócio e demagogia", escrevia este especialista. "Os soutos e carvalhais têm vindo a diminuir desde o começo do século (são hoje pouco metade do que eram em 1928), os montados começaram a diminuir nos anos 1950 e os pinhais apenas com os incêndios dos últimos 20 anos. Ao invés, as matas de eucalipto cresceram desde números irrisórios em 1960 para 200 mil hectares em 1978 e mais de meio milhão na atualidade."

Além destes problemas, identificava outros, relacionados com o tipo de propriedade (privada ou estatal). E concluía: "Sem enfrentar a mudança das estruturas - como fizeram no passado os países europeus mais prósperos - não haverá nem floresta de produção nem proteção da natureza. (...) Não será tarefa fácil e necessita de criatividade. Necessita, além disso, do consenso e da vontade das várias forças políticas num pacto, muito para além do horizonte temporal de umas eleições."

O incêndio continua incontrolável no Algarve e a filha de Fernando Varela não esconde a mágoa: "[Ele] fez um plano, com colegas, centenas de horas de cartografia militar, estudo do clima, florestas, agricultura, território, milhares de horas de viagens, desenhos, reflexão. Está na gaveta, já conheceu uma dúzia de ministros o tal do plano. Intacto, ao contrário da serra de Monchique, destruída."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.