Fugir do calor? Conheça os locais mais frescos de Portugal continental

Longe do calor extremo sentido em várias regiões do país, o cabo Carvoeiro registou na quinta-feira 24 graus Celsius, Santa Cruz assinalou 25 e o cabo Raso chegou aos 26. Temperaturas que deverão manter-se esta sexta-feira, bem longe dos 45 graus esperados em Évora e Castelo Branco

Com 11 distritos em aviso vermelho até sábado, devido às temperaturas extremamente altas, que podem atingir os 47 graus Celsius no sábado e até bater o recorde de 2003 registado na Amareleja, no concelho de Moura, (47,3 graus), saiba que há zonas do país onde pode fugir do calor extremo. Cabo Carvoeiro, em Peniche, Santa Cruz, em Torres Vedras e cabo Raso, Cascais, são os locais a escolher se quer ficar longe das temperaturas acima dos 40 graus.

Na quinta-feira, Alvega, concelho de Abrantes, foi até às 17:00 a estação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mais quente do país ao registar 45,2 graus, mas quais foram as localidades onde deu para escapar do calor extremo? "Foi mesmo junto à costa", responde ao DN, Bruno Café, meteorologista do IPMA.

"A subida da temperatura foi quebrada com a entrada da brisa marítima"

"O cabo Carvoeiro [Peniche] com 24 graus Celsius, Santa Cruz [Torres Vedras] com 25 e o cabo Raso [Cascais] com 26", especifica o especialista sobre os registos até às 17:00. "Tiveram a influência da brisa marítima durante praticamente todo o dia. A subida da temperatura foi quebrada com a entrada da brisa marítima", explica Bruno Café referindo-se a uma "situação expectável".

Na sexta-feira, mantêm-se os locais mais frescos junto à costa

Estas temperaturas nestes locais junto à costa deverão manter-se esta sexta-feira, apesar de ser difícil prever a intensidade da brisa marítima, que "tem muita influência", explica Bruno Café. Valores bem abaixo dos 45 graus de temperatura máxima que são esperados em Castelo Branco e Évora.

As localidades junto à costa são tendencialmente mais frescas, com temperaturas máximas menos extremas do que no resto do país.

A contrariar esta tendência, Zambujeira, no litoral alentejano, esteve entre as estações do IPMA que registaram recordes históricos na quinta-feira. Até às 17:00, esta zona costeira registou 41,1 graus Celsius. Em 2013, o máximo tinha sido de 39,7 graus.

Em Setúbal também se verificou um novo recorde com o valor de temperatura máxima mais elevado a situar-se nos 42,6 graus. Nestes casos, a brisa marítima "foi pouco intensa" e não foi suficiente para impedir o calor extremo, justifica o meteorologista.

Mas a partir de domingo, dia 5, o calor vai abrandar. De acordo com o IPMA, "a temperatura deverá registar uma descida nas regiões do litoral e, nos dias seguintes, no restante território, mas mantendo valores da ordem de 30-35 °C em muitos locais no final da próxima semana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.