Calor. Foram batidos recordes em oito locais

Até às 17.00 desta quinta-feira, Alvega, uma freguesia do concelho de Abrantes, foi a estação do IPMA que teve o valor de temperatura máxima mais elevado ao registar 45,2 graus Celsius. Oito estações bateram o recorde.

O calor extremo fez-se sentir em todo o país, mas Alvega foi a localidade mais quente desta quinta-feira. Até às 17.00, a freguesia do concelho de Abrantes registou 45,2 graus Celsius, tornando-se a estação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) que "teve o valor da temperatura máxima mais elevado", conta ao DN o meteorologista Bruno Café. Seguiu-se Coruche, com 44,9 graus e Amareleja, com 44,7 graus.

Mais, até às 17.00, foram oito as estações do IPMA que bateram recordes de temperatura máxima: Castelo Branco (42,2), Odemira (41,9), Nelas (41,3), Anadia (43,8) , Coruche (44,9), Setúbal (42,6), Alvalade, Santiago do Cacém (43,8) e Zambujeira do Mar (41,1). "Estamos a falar de estações que têm séries de dados com mais de 15 anos", explica o meteorologista do IPMA. Bruno Café sublinha que o registo foi feito às 17.00 e que depois disso podem ter sido batidos outros recordes, pelo que a informação pode vir a ser corrigida.

Entre as estações onde foram batidos recordes, a da Zambujeira é a que surpreende mais. "No litoral é sempre menos provável", diz Bruno Café, referindo-se à brisa marítima que ocorre nestas regiões durante a tarde, que neste caso "foi pouco intensa". A temperatura máxima mais elevada que a Zambujeira, no concelho de Odemira, registou foi, conta o especialista, 39,7 graus Celsius em 2013. Já Setúbal tinha atingido o valor mais alto em 2003, com 41,7 graus.

As temperaturas vão subir nesta sexta-feira

Aliás, o calor que se faz sentir e que se vai prolongar, pelo menos, até segunda-feira, com a previsão de que sábado, dia 4, seja o dia "mais crítico", "é comparável à situação meteorológica de agosto de 2003 em Portugal continental. Na onda de calor de 2003 registaram-se igualmente valores muito elevados da temperatura mínima e da temperatura máxima, fixando-se um novo máximo absoluto relativo à temperatura máxima, com 47,3° C, na Amareleja no dia 1 de agosto", refere o IPMA.

É "provável que amanhã (sexta-feira) voltem a ser batidos novos recordes" de temperatura

Devido às elevadas temperaturas, 11 distritos estão em alerta vermelho, "com alguns a começar amanhã, como Bragança, Guarda e Vila Real". Para esta sexta-feira, prevê-se que as "temperaturas sejam mais elevadas do que as desta quinta-feira", avisa o meteorologista Bruno Café. "As mínimas durante a noite de hoje não irão descer abaixo dos 20 a 25 graus. A partir dos 20 graus já é considerado noite tropical."

Prevê-se que sábado seja o dia mais quente

É, por isso, "provável que amanhã voltem a ser batidos novos recordes" de temperatura. De acordo com o meteorologista, prevê-se que as regiões de Alentejo, Beira Baixa, Vale do Tejo e Interior Norte registem as temperaturas mais elevadas, que deverão rondar entre os 40 e os 45 graus. "Os distritos de Évora, Castelo Branco e Santarém deverão ser os mais quentes de sexta-feira", diz Bruno Café.

Prevê-se que sábado seja o dia mais quente. De acordo com a previsão na página de internet do IPMA, Beja pode atingir os 47 graus. Já para Évora e Santarém são esperados 46 graus Celsius.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)