Faro quer aplicar taxa turística de 1,5 euros entre março e outubro

A Câmara Municipal de Faro quer implementar uma taxa turística de 1,5 euros por dormida, a cobrar entre março e outubro, estimando uma receita anual de cerca de 500 mil euros, disse nesta terça-feira, à Lusa, uma fonte da autarquia.

O projeto do regulamento da taxa municipal turística de Faro, apresentado pelo presidente da Câmara, Rogério Bacalhau (PSD), foi aprovado, por unanimidade, na reunião do executivo realizada na segunda-feira.

O documento vai ser submetido à apreciação e votação da Assembleia Municipal ainda neste mês.

Em declarações à Lusa, o chefe de gabinete da presidência da Câmara, Henrique Gomes, referiu que o documento "deverá entrar em vigor durante a época alta turística, assim que estiverem cumpridos todos os procedimentos legais".

De acordo com aquele responsável, a receita gerada pela taxa turística, a cobrar entre os meses de março e outubro, por dormida, "está estimada em cerca de 500 mil euros anuais, tendo em conta o número de dormidas registadas no município".

Segundo o projeto de regulamento, a que a agência Lusa teve acesso, a taxa municipal turística de 1,5 euros por dormida é devida pelas dormidas remuneradas em empreendimentos turísticos ou estabelecimentos de alojamento local, localizados na área geográfica do município, por noite, até ao máximo de sete noites seguidas por pessoa com idade igual ou superior a 13 anos e por estada.

Os hóspedes portadores de deficiência, com incapacidade igual ou superior a 60%, estão isentos da taxa, desde que apresentem documentos comprovativos dessa incapacidade.

As entidades coletivas ou singulares exploradoras dos empreendimentos turísticos ou de alojamento local ficam obrigadas à cobrança da taxa, através da emissão de fatura-recibo sem IVA, e a declarar o valor cobrado, entregando no prazo de dez dias ao município a importância respetiva.

Pela prestação do serviço de liquidação e cobrança da taxa, os operadores recebem uma comissão de cobrança no valor de 2,5%, sujeitas a IVA à taxa legal em vigor.

O regulamento prevê também penalizações para as entidades que falseiem ou forneçam incorretamente os elementos para a liquidação da taxa, incorrendo em coimas entre os 500 e os 2500 euros, para pessoas singulares, e de mil a 5 mil euros, para pessoas coletivas.

A falta de exibição ou a não entrega do documento, bem como o não preenchimento de dados na plataforma eletrónica (caso a mesma venha a existir), é punível com coimas de 75 a 1500 euros, para pessoas singulares, e de 150 a 3 mil euros, para pessoas coletivas, sendo a não conservação dos documentos comprovativos, punível com coimas graduadas de 50 a mil euros, para pessoas singulares, e de cem a 2 mil euros, para pessoas coletivas.

Segundo a autarquia, para a determinação do valor da taxa municipal turística foram consideradas as despesas do orçamento municipal de 2017, relacionadas direta e indiretamente com a atividade turística, cujo valor ascende a 1,8 milhões de euros.

A implementação da taxa turística foi decidida pelos 16 municípios do Algarve, em sede da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), à semelhança do que acontece em outros municípios do país, ficando a cobrança legal em cada município sujeita a regulamentos municipais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.