Ex-diretor do Museu da Presidência vai ser julgado

Diogo Gaspar é acusado de tráfico de influências, falsificação, peculato e abuso de poder.

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu esta quarta-feira levar a julgamento o ex-diretor do Museu da Presidência Diogo Gaspar, acusado de tráfico de influências, falsificação, peculato e abuso de poder.

A decisão foi da juíza de instrução Maria Antónia Andrade que confirmou a acusação do Ministério Público para os quatro arguidos do processo Operação Cavaleiro: Diogo Gaspar, José Dias, Paulo Duarte e Vítor Santos.

Em junho de 2016, o então diretor do Museu da Presidência foi detido por suspeitas de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder.

O Ministério Público diz ter provas de que Diogo Gaspar usou indevidamente "recursos do Estado para fins particulares" e que se apropriou de bens imóveis públicos tendo prejudicado os interesses patrimoniais públicos.

No dia da detenção do então diretor do Museu da Presidências, a 30 de junho, a Procuradoria-Geral da República emitiu um comunicado dando conta que nas buscas efetuadas a Polícia Judiciária informou que foram apreendidos diversos bens culturais e artísticos alegadamente "descaminhados de instituições públicas".

Segundo a nota da Procuradoria, no inquérito da Operação Cavaleiro, que teve início em abril de 2015, em causa estavam "suspeitas de favorecimento de interesses de particulares e de empresas com vista à obtenção de vantagens económicas indevidas e suspeitas de solicitação de benefícios como contrapartida da promessa de exercício de influência junto de decisores públicos. Investigam-se, igualmente, o uso de recursos do Estado para fins particulares, a apropriação de bens móveis públicos e a elaboração de documento, no contexto funcional, desconforme à realidade e que prejudicou os interesses patrimoniais públicos".

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.