Escolas abrem à meia-noite para afixar notas

A indicação do Ministério da Educação determina que as notas sejam reveladas a 12 de julho

A partir da meia-noite algumas escolas vão abrir as portas para que alunos e familiares possam conhecer as notas dos exames nacionais e das provas de equivalência à frequência, diz o JN.

Seguindo a indicação do Ministério da Educação, alguns estabelecimentos de ensino vão, à semelhança do que aconteceu no ano passado, afixar as notas e permitir que alunos e familiares possam consultá-las nos primeiros minutos desta quinta-feira, dia 12 de julho.

Escola Secundária Martins Sarmento, em Guimarães, e a Escola Secundária Camilo Castelo Branco, em Famalicão, são duas das escolas que optam por abrir as portas após a meia-noite, conforme anunciaram nas redes sociais.

"A indicação do Ministério da Educação é que as notas apenas sejam reveladas no dia 12 e as escolas não vão infringir nenhuma norma. Umas vão mostrar as notas às 8 horas da manhã e outras às 00.01 horas", disse ao JN Filinto Lima, membro da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas.

A divulgação das notas, logo nos primeiros minutos de 12 de julho, aos alunos é uma iniciativa que aplaude. "É uma medida muito positiva no final de um ano letivo que foi e está a ser particularmente duro. É um momento de convívio entre a comunidade escolar e reduz o sofrimento dos alunos e das famílias porque vão todos dormir muito mais descansados", considerou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...