Escolas abrem à meia-noite para afixar notas

A indicação do Ministério da Educação determina que as notas sejam reveladas a 12 de julho

A partir da meia-noite algumas escolas vão abrir as portas para que alunos e familiares possam conhecer as notas dos exames nacionais e das provas de equivalência à frequência, diz o JN.

Seguindo a indicação do Ministério da Educação, alguns estabelecimentos de ensino vão, à semelhança do que aconteceu no ano passado, afixar as notas e permitir que alunos e familiares possam consultá-las nos primeiros minutos desta quinta-feira, dia 12 de julho.

Escola Secundária Martins Sarmento, em Guimarães, e a Escola Secundária Camilo Castelo Branco, em Famalicão, são duas das escolas que optam por abrir as portas após a meia-noite, conforme anunciaram nas redes sociais.

"A indicação do Ministério da Educação é que as notas apenas sejam reveladas no dia 12 e as escolas não vão infringir nenhuma norma. Umas vão mostrar as notas às 8 horas da manhã e outras às 00.01 horas", disse ao JN Filinto Lima, membro da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas.

A divulgação das notas, logo nos primeiros minutos de 12 de julho, aos alunos é uma iniciativa que aplaude. "É uma medida muito positiva no final de um ano letivo que foi e está a ser particularmente duro. É um momento de convívio entre a comunidade escolar e reduz o sofrimento dos alunos e das famílias porque vão todos dormir muito mais descansados", considerou.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.