MP abre inquérito sobre triatleta encontrado morto no rio Minho

Foi encontrado sem vida Rafael Sá, o triatleta de 23 anos, que estava desaparecido desde domingo, quando participava numa competição. Ministério Público já deu início a um inquérito para apurar as circunstâncias da morte do atleta.

A Policia Marítima de Caminha confirmou ao DN a informação, que tinha sido avançada pela RTP. Segundo os Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, que também têm participado nas buscas, o corpo do triatleta, de 23 anos, foi encontrado no Rio Minho, junto aquela localidade.

O comandante da Capitania do Porto de Caminha, Pedro Cervãens Costa, precisou que o corpo foi avistado pelas 07:10, a flutuar, frente às piscinas de Vila Nova de Cerveira. "As águas do rio estão muito quentes, o que terá acelerado a flutuação", afirmou.

Segundo Pedro Costa, pelas 08:30 o cadáver já tinha sido retirado da água pelos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira e levado para terra numa embarcação da Marinha.

O corpo foi "avistado por um bombeiro" da corporação de Vila Nova de Cerveira, a cerca de 500 metros a montante do cais, onde estava o navio da Marinha, acrescentou.

O triatleta desapareceu no domingo, dia 1 de setembro, quando fazia a travessia do rio Minho, durante o XII Triatlo da Amizade Cerveira-Tomiño, organizado pelos municípios de Vila Nova de Cerveira, Alto Minho, e Tomiño, Galiza.

As buscas têm estado a ser feitas com lanchas, uma delas espanhola, motas de água, botes e, da parte da tarde, com um avião que tem a vantagem de percorrer uma área extensa.

Para esta quinta-feira estavam previstas, além disso, buscas apeadas nas margens do rio, quer em território português, quer em território espanhol.

As causas para o desaparecimento e morte de Rafael Sá ainda não estão esclarecidas. Os atletas teriam de fazer um percurso de 750 metros no rio Minho, a primeira parte da prova. O jovem de Barcelos ter-se-á sentido mal logo no início da prova de triatlo e deixou de ser visto a nadar.

Os meios de socorro iniciaram de imediato as buscas, mas sem sucesso", explicou, no domingo, o presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, Fernando Nogueira.

O jovem praticava desporto regularmente, mas que este domingo foi a sua estreia no triatlo.

Ministério Público abriu inquérito

O Ministério Público português abriu um inquérito às causas da morte do triatleta, segundo as entidades ligadas à competição, que aguardam "com a brevidade possível o apuramento dos factos".

"O Ministério Público já procedeu à abertura de um inquérito, pelo que se aguarda com a brevidade possível o apuramento dos factos inerentes ao sucedido", refere um comunicado conjunto da Federação de Triatlo de Portugal, Federación Galega de Triatlon e Péntatlon Moderno, Pedal'Arte - Associação de Cicloturismo e Triatlo, Câmara de Vila Nova de Cerveira e Concello de Tomiño.

O corpo do triatleta que desapareceu no domingo durante uma competição no rio internacional Minho foi encontrado hoje, cerca das 07:00, pelas autoridades na margem portuguesa do rio.

No comunicado, as entidades subscritoras pedem "o respeito necessário de forma a que família e amigos possam realizar as cerimónias fúnebres com a maior privacidade possível".

Exclusivos