Demitem-se chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia

Médicos dizem que houve "quebra de compromisso" porque não foram contratados mais médicos

Os chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia, em Lisboa, apresentaram hoje a sua demissão à administração, considerando que houve "quebra do compromisso" feito pela instituição de contratar mais médicos.

O anúncio, feito hoje, refere que os médicos consideram que a situação "é insustentável".

A demissão foi apresentada por todos os chefes de equipa e coordenadores daquele serviço, num total de 10.

O bastonário dos Médicos, que tinha marcado para hoje uma visita àquele hospital de Lisboa está reunido com a administração, depois de ter criticado, na terça-feira, as "graves carências de recursos humanos" na instituição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.