CP: quase um milhão de euros em multas por cobrar em 2018

Só até maio contava 734 mil euros em coimas não pagas. Entre 2014 e 2017, prescreveram 22 milhões de euros em coimas não cobradas. Empresa tem também um extenso rol, cuja identificação e valor não divulga, de descontos protocolados com entidades variadas.

Intercidades, junho de 2018. O revisor descobre que um passageiro estrangeiro comprou, na net, um bilhete com desconto "jovem" (25%). Como não é menor de 25, caso em que o desconto é automático, nem possui um cartão jovem (European Youth Card) que confere o mesmo desconto a quem tem menos de 30 anos, tecnicamente não tem bilhete válido. O valor mínimo de coima nesta situação, considerada contraordenação grave quando ocorre num comboio inter-regional ou de longo curso, é de 250 euros, o máximo 700. Mas o funcionário apieda-se: diz ao passageiro que cometeu um erro e deve ter cuidado no futuro. E explica a quem pergunta o que se passou: "Aquilo para quem compra bilhetes na net está confuso, e além disso não vale a pena passar multas porque a CP não as cobra, há milhões por cobrar que vão prescrevendo."

De facto, entre 2014 e 2017, reconhece a CP em resposta ao DN, prescreveram, por terem decorrido três anos sobre a prática do ilícito, 22 milhões de euros em multas. A média é de cinco milhões e meio de euros/ano. E só as coimas passadas nos cinco primeiros meses de 2018 e não pagas até maio ascendiam a 734 mil euros. Trata-se de 12 mil multas de um total de 15 mil -- três mil foram pagas voluntariamente. Qual o valor das multas passadas antes de 2018 que ainda não prescreveram - ou seja, as que correspondem ao período desde a segunda metade de 2015 até meio deste ano - a CP não diz.

11% de viagens sem título válido

Já sobre a estimativa que faz da média de viagens "fraudulentas" e dos passageiros sem bilhete, a empresa indica que entre janeiro e maio de 2018 "transportou nos seus serviços cerca 50 milhões de passageiros, tendo a percentagem de multas emitidas correspondido a 0,03%." Adianta ainda que "neste período temporal, considerando a totalidade das fiscalizações efetuadas, versus as coimas emitidas, a taxa relativa ao número de viagens efetuadas sem título de transporte válido corresponde a cerca de 11%." Com uma particularidade: "Do total das coimas, 90% foram emitidas nos serviços Urbanos de Lisboa, 6% nos serviços Urbanos do Porto e 4% nos serviços de Longo Curso e Regional." Assim, aparentemente, a esmagadora maioria das coimas será de baixo valor, por corresponder a viagens curtas. Isso mesmo se retira do quantitativo das coimas por regularizar até maio de 2018 e do valor correspondente: a média é de 61 euros. Mas esta semana o DN revelou que a CP admite haver um problema com a fiscalização nos comboios de longo curso, nomeadamente nos casos, como o percurso Lisboa-Faro, em que há estações onde não é possível comprar bilhete. Os passageiros que entram no comboio sem bilhete podem fazer a viagem sem pagar, se o revisor não aparecer. E se não aparece para cobrar o bilhete, naturalmente também não pode passar multa.

O revisor apieda-se do passageiro estrangeiro: "Não vale a pena passar multas porque a CP não as cobra, há milhões por cobrar que vão prescrevendo."

A questão das multas não cobradas foi objeto de uma alteração legal recente, em setembro de 2017, repondo a possibilidade de pagar a multa com desconto caso a liquidação seja feita no momento ou nos cinco dias seguintes. Esta possibilidade tinha sido eliminada pelo executivo de Passos Coelho no orçamento de Estado de 2014, ao mesmo tempo que a cobrança destas penalidades deixava de ser responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes e passava para a Autoridade Tributária. De acordo com o preâmbulo do decreto-lei 117/2017, que faz regressar a cobrança ao referido instituto e reinstitui e aumenta o desconto no pagamento voluntário, à alteração efetuada pelo governo anterior seguiu-se um aumento dos indicadores de fraude - "ou seja, passageiros sem título de transporte válido" - e o criar de "um sentimento de impunidade generalizado por parte dos infratores e uma situação de iniquidade entre passageiros dos vários sistemas de transportes coletivos existentes no território nacional." Se o regresso à anterior fórmula resultou numa diminuição das fraudes não parece ainda possível determinar.

CP não revela lista de entidades com descontos

Numa altura em que se somam as denúncias de problemas e insuficiências no serviço de comboios, atribuídas à situação financeira da empresa, a existência de um extensíssimo rol de entidades com as quais a CP protocolou descontos também suscitou ao DN um pedido de esclarecimento.

Porém, às perguntas "Quantos protocolos tem a CP neste momento com empresas. associações, etc?"; "Onde se pode consultar a lista?"; "Quais as percentagens de desconto em vigor nesses protocolos?"; "Qual o valor estimado destes protocolos? Ou seja, qual o valor que a CP não cobra por via desses descontos?"; "Quantos bilhetes com desconto foram vendidos nos últimos anos ao abrigo desses protocolos?" e, por fim, "Qual o racional presente nos ditos protocolos? Por outras palavras, que vantagem retira a CP deles?", a empresa preferiu não dar resposta, limitando-se a explicações vagas. "No que concerne aos Protocolos estabelecidos", diz a o mail enviado ao DN, "a CP tem uma atividade transversal que se estende ao longo de toda a rede ferroviária nacional e, de uma forma proativa, continua a assegurar Protocolos que traduzem parcerias, permitindo incrementar o seu volume de negócios, com base em critérios económicos e de rendibilidade de que resultam vantagens recíprocas para a Empresa e seus Parceiros. Na assinatura de Protocolos, está sempre presente uma estratégia de segmentação, target e posicionamento e o conceito de valor para as partes envolvidas."

Às perguntas "Quantos protocolos tem a CP neste momento com empresas. associações, etc?"; "Onde se pode consultar a lista?"; "Quais as percentagens de desconto em vigor nesses protocolos?"; "Qual o valor estimado destes protocolos?", a empresa preferiu não responder.

Do mesmo modo, a CP não respondeu a perguntas sobre protocolos concretos. É o caso por exemplo do celebrado em 2015 com o Corpo Nacional de Escuteiros/Escutismo Católico Português, que assegura 30% de desconto em comboios intercidades, inter-regional ou regional a quem tenha o respetivo cartão. O texto do protocolo refere que a contrapartida para a empresa consiste na "divulgação da CP Comboios de Portugal como parceiro" no portal do movimento, na respetiva página de Facebook e "revista Flor de Lis". Na escala dos descontos efetuados pela empresa a entidades privadas, que incluem ordens profissionais, universidades, sindicatos e até clubes de futebol (alguns são facilmente encontráveis na net), o acordado com o CNE é dos mais elevados. Não só os menores de 25 ou os detentores de cartão jovem usufruem de um desconto mais baixo (25%), mas o atribuído desde março, por via de um protocolo da CP com Instituto Nacional para a Reabilitação, a pessoas com grau de deficiência superior a 60% e menor que 80% (a partir dos 80% já existia um desconto de 75%) é de 20%.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.