CP: quase um milhão de euros em multas por cobrar em 2018

Só até maio contava 734 mil euros em coimas não pagas. Entre 2014 e 2017, prescreveram 22 milhões de euros em coimas não cobradas. Empresa tem também um extenso rol, cuja identificação e valor não divulga, de descontos protocolados com entidades variadas.

Intercidades, junho de 2018. O revisor descobre que um passageiro estrangeiro comprou, na net, um bilhete com desconto "jovem" (25%). Como não é menor de 25, caso em que o desconto é automático, nem possui um cartão jovem (European Youth Card) que confere o mesmo desconto a quem tem menos de 30 anos, tecnicamente não tem bilhete válido. O valor mínimo de coima nesta situação, considerada contraordenação grave quando ocorre num comboio inter-regional ou de longo curso, é de 250 euros, o máximo 700. Mas o funcionário apieda-se: diz ao passageiro que cometeu um erro e deve ter cuidado no futuro. E explica a quem pergunta o que se passou: "Aquilo para quem compra bilhetes na net está confuso, e além disso não vale a pena passar multas porque a CP não as cobra, há milhões por cobrar que vão prescrevendo."

De facto, entre 2014 e 2017, reconhece a CP em resposta ao DN, prescreveram, por terem decorrido três anos sobre a prática do ilícito, 22 milhões de euros em multas. A média é de cinco milhões e meio de euros/ano. E só as coimas passadas nos cinco primeiros meses de 2018 e não pagas até maio ascendiam a 734 mil euros. Trata-se de 12 mil multas de um total de 15 mil -- três mil foram pagas voluntariamente. Qual o valor das multas passadas antes de 2018 que ainda não prescreveram - ou seja, as que correspondem ao período desde a segunda metade de 2015 até meio deste ano - a CP não diz.

11% de viagens sem título válido

Já sobre a estimativa que faz da média de viagens "fraudulentas" e dos passageiros sem bilhete, a empresa indica que entre janeiro e maio de 2018 "transportou nos seus serviços cerca 50 milhões de passageiros, tendo a percentagem de multas emitidas correspondido a 0,03%." Adianta ainda que "neste período temporal, considerando a totalidade das fiscalizações efetuadas, versus as coimas emitidas, a taxa relativa ao número de viagens efetuadas sem título de transporte válido corresponde a cerca de 11%." Com uma particularidade: "Do total das coimas, 90% foram emitidas nos serviços Urbanos de Lisboa, 6% nos serviços Urbanos do Porto e 4% nos serviços de Longo Curso e Regional." Assim, aparentemente, a esmagadora maioria das coimas será de baixo valor, por corresponder a viagens curtas. Isso mesmo se retira do quantitativo das coimas por regularizar até maio de 2018 e do valor correspondente: a média é de 61 euros. Mas esta semana o DN revelou que a CP admite haver um problema com a fiscalização nos comboios de longo curso, nomeadamente nos casos, como o percurso Lisboa-Faro, em que há estações onde não é possível comprar bilhete. Os passageiros que entram no comboio sem bilhete podem fazer a viagem sem pagar, se o revisor não aparecer. E se não aparece para cobrar o bilhete, naturalmente também não pode passar multa.

O revisor apieda-se do passageiro estrangeiro: "Não vale a pena passar multas porque a CP não as cobra, há milhões por cobrar que vão prescrevendo."

A questão das multas não cobradas foi objeto de uma alteração legal recente, em setembro de 2017, repondo a possibilidade de pagar a multa com desconto caso a liquidação seja feita no momento ou nos cinco dias seguintes. Esta possibilidade tinha sido eliminada pelo executivo de Passos Coelho no orçamento de Estado de 2014, ao mesmo tempo que a cobrança destas penalidades deixava de ser responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes e passava para a Autoridade Tributária. De acordo com o preâmbulo do decreto-lei 117/2017, que faz regressar a cobrança ao referido instituto e reinstitui e aumenta o desconto no pagamento voluntário, à alteração efetuada pelo governo anterior seguiu-se um aumento dos indicadores de fraude - "ou seja, passageiros sem título de transporte válido" - e o criar de "um sentimento de impunidade generalizado por parte dos infratores e uma situação de iniquidade entre passageiros dos vários sistemas de transportes coletivos existentes no território nacional." Se o regresso à anterior fórmula resultou numa diminuição das fraudes não parece ainda possível determinar.

CP não revela lista de entidades com descontos

Numa altura em que se somam as denúncias de problemas e insuficiências no serviço de comboios, atribuídas à situação financeira da empresa, a existência de um extensíssimo rol de entidades com as quais a CP protocolou descontos também suscitou ao DN um pedido de esclarecimento.

Porém, às perguntas "Quantos protocolos tem a CP neste momento com empresas. associações, etc?"; "Onde se pode consultar a lista?"; "Quais as percentagens de desconto em vigor nesses protocolos?"; "Qual o valor estimado destes protocolos? Ou seja, qual o valor que a CP não cobra por via desses descontos?"; "Quantos bilhetes com desconto foram vendidos nos últimos anos ao abrigo desses protocolos?" e, por fim, "Qual o racional presente nos ditos protocolos? Por outras palavras, que vantagem retira a CP deles?", a empresa preferiu não dar resposta, limitando-se a explicações vagas. "No que concerne aos Protocolos estabelecidos", diz a o mail enviado ao DN, "a CP tem uma atividade transversal que se estende ao longo de toda a rede ferroviária nacional e, de uma forma proativa, continua a assegurar Protocolos que traduzem parcerias, permitindo incrementar o seu volume de negócios, com base em critérios económicos e de rendibilidade de que resultam vantagens recíprocas para a Empresa e seus Parceiros. Na assinatura de Protocolos, está sempre presente uma estratégia de segmentação, target e posicionamento e o conceito de valor para as partes envolvidas."

Às perguntas "Quantos protocolos tem a CP neste momento com empresas. associações, etc?"; "Onde se pode consultar a lista?"; "Quais as percentagens de desconto em vigor nesses protocolos?"; "Qual o valor estimado destes protocolos?", a empresa preferiu não responder.

Do mesmo modo, a CP não respondeu a perguntas sobre protocolos concretos. É o caso por exemplo do celebrado em 2015 com o Corpo Nacional de Escuteiros/Escutismo Católico Português, que assegura 30% de desconto em comboios intercidades, inter-regional ou regional a quem tenha o respetivo cartão. O texto do protocolo refere que a contrapartida para a empresa consiste na "divulgação da CP Comboios de Portugal como parceiro" no portal do movimento, na respetiva página de Facebook e "revista Flor de Lis". Na escala dos descontos efetuados pela empresa a entidades privadas, que incluem ordens profissionais, universidades, sindicatos e até clubes de futebol (alguns são facilmente encontráveis na net), o acordado com o CNE é dos mais elevados. Não só os menores de 25 ou os detentores de cartão jovem usufruem de um desconto mais baixo (25%), mas o atribuído desde março, por via de um protocolo da CP com Instituto Nacional para a Reabilitação, a pessoas com grau de deficiência superior a 60% e menor que 80% (a partir dos 80% já existia um desconto de 75%) é de 20%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".