Cova da Moura. Comandante da PSP de Lisboa apoia os polícias em julgamento

Jorge Maurício é superintendente chefe e lidera o Comando Metropolitano da PSP de Lisboa. É a primeira vez que um oficial superior com funções de topo na hierarquia vem assistir a uma sessão do julgamento

"Vim só por vir", respondeu ao DN Jorge Maurício quando questionado sobre o motivo da sua presença no tribunal. O comandante do Comado Metropolitano de Lisboa (COMETLIS) veio fardado e sentou-se ao lado do presidente do Sindicado Unificado de Polícia (SUP), Peixoto Rodrigues, organização que disponibilizou apoio jurídico para 16 dos 17 polícias acusados.

Esta terça-feira estão a decorrer as alegações finais da defesa dos agentes acusados de sequestro, tortura, agressões agravadas, falsificação de autos, injúrias e omissão de auxílio - tudo motivado pelo ódio racial - contra seis jovens negros da Cova da Moura.

O DN insistiu com Jorge Maurício sobre se a sua presença significava um apoio institucional da hierarquia, mas o comandante não quis responder. "Não vou fazer mais comentários", afirmou.

Questionada também a direção nacional da PSP sobre esta situação, designadamente se apoiava a iniciativa de Jorge Maurício, não quis igualmente fazer comentários.

Acusações de racismo e tortura ficaram pelo caminho

Na primeira sessão das alegações finais, há uma semana, o procurador Manuel das Dores chumbou toda a investigação e acusação que tinham sido feitas pelos colegas Paes de Faria, um veterano do MP, e por Hélder Cordeiro, o coordenador do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) da Amadora, que, coadjuvados pela Unidade Nacional de Contra Terrorismo da PJ (na altura liderada pelo atual diretor nacional, Luís Neves), produziram uma acusação histórica no nosso país.

Entre as vítimas estão dois jovens, Flávio Almada e Celso Lopes, que eram (Flávio ainda é) mediadores da Associação Moinho da Juventude, uma organização distinguida pela Assembleia da República com o prémio de Direitos Humanos que faz trabalho social no bairro, principalmente com crianças e jovens.

Exclusivos