Candidaturas ao ensino superior baixam para menos de 45 mil

A primeira fase de acesso ao ensino superior termina esta terça-feira e há menos 3.146 candidatos do que no ano passado

Mais de 44 mil pessoas já se candidataram ao ensino superior, segundo os dados provisórios da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), que revelam uma diminuição de candidaturas em relação ao ano passado.

A primeira fase do concurso nacional de acesso e ingresso termina na terça-feira, sendo que até domingo tinham-se candidatado 44.148 pessoas.

Em relação a igual período no ano passado, nota-se uma diminuição de 3.146 candidaturas, uma tendência que se vem registando desde o primeiro dia, a 18 de julho.

Só a 03 de agosto é que o número de candidaturas diárias foi superior ao registado no ano anterior, segundo as estatísticas diárias da DGES.

No ano passado, candidataram-se 52.580 pessoas na primeira fase.

Os resultados desta primeira fase de candidaturas só serão divulgados a 10 de setembro.

Pelo terceiro ano consecutivo, o concurso nacional de acesso volta a registar um aumento de vagas (mais 0,2% do que em 2017): Há 50.852 vagas, sendo que 55% são em universidades e 45% em politécnicos, segundo dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

Este ano há mais 1.080 vagas nas instituições localizadas fora de Lisboa e Porto e uma redução de 1.066 vagas nas instituições situadas naquelas duas cidades, por decisão da tutela.

Os alunos que queiram candidatar-se ao ensino superior público têm 1.068 cursos disponíveis, entre licenciaturas e mestrados integrados.

Segundo um estudo sobre mobilidade geográfica dos alunos que ingressam no ensino superior do MCTES, os jovens das três maiores cidades universitárias tendem a escolher uma escola perto de casa: 94% dos lisboetas optam por tirar um curso na zona onde residem, tal como cerca de 80% dos portuenses e conimbricenses.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?