Associações de taxistas aguardam audiência com Marcelo ou Costa. Protesto sem fim à vista

A manifestação decorre há 28 horas e os taxistas recusam abandonar a Praça dos Restauradores, em Lisboa, até o Governo responder às reivindicações

As associações que representam os taxistas continuam à espera de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ou com o primeiro-ministro, António Costa, e a manifestação vai continuar "até a situação estar resolvida", garantiu esta quinta-feira ao DN o presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL).

O presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, disse ao DN que foi feito um pedido de audiência ao Chefe de Estado "há muito tempo", mas que ainda não aconteceu, assim como "já pediu [reunião] há muito tempo com o Ministro do Ambiente", João Pedro Matos Fernandes".

Os profissionais do setor começaram o protesto em Lisboa às 05:00 de quarta-feira.

A manifestação continua 28 horas depois e o dirigente associativo garantiu que os taxistas vão continuar a ocupar o espaço "até a situação estar resolvida" pelo Governo.

Florêncio Almeida disse ainda ao DN que os taxistas não vão concentrar-se junto à Cidade Universitária - onde decorre esta quinta-feira a última aula de Marcelo Rebelo de Sousa, na Faculdade de Direito - para pedir uma audiência ao Presidente.

O trânsito na Avenida da Liberdade foi, contudo, reaberto pelas 07:30 desta quinta-feira, mas o presidente da ANTRAL afirmou que não há intenção de impedir a circulação "porque as pessoas não têm culpa de nada".

Apesar de haver menos manifestantes na Praça dos Restauradores do que no dia anterior, há entre "1200 a 1500 táxis" estacionados entre os Restauradores e o Campo Pequeno, assegurou o responsável da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros.

Ler mais

Exclusivos