Ambiente, manipulação genética, drones, eutanásia e outras questões éticas em debate

Antecipando o colóquio internacional Desafios Éticos Contemporâneos, Viriato Soromenho-Marques fez uma curta entrevista de três perguntas a Maria José Varandas, da Sociedade de Ética Ambiental.

Irá realizar-se no próximo dia 16 de novembro, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, um colóquio que reúne especialistas nacionais e internacionais em torno de um tema pertinente: Desafios Éticos Contemporâneos. Antes de sabermos do que trata exatamente este colóquio, perguntamos: quem ou que entidades estão por detrás deste evento?

O colóquio é organizado pela Sociedade de Ética Ambiental (SEA) em parceria com o grupo PRAXIS do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e apoiado pela FCT e pelo Instituto Francês.

Qual é ou quais são os objetivos deste colóquio? Que tipo de público pretende atingir?

O cerne de preparação e elaboração do colóquio foi o de trazer a público as investigações mais recentes, nacionais e internacionais, em diversas áreas de ética aplicada capazes de levantar questões e de refletir sobre problemas que inevitavelmente decorrem da inovação tecnocientífica, da degradação ambiental, da prática médica. Questões como, por exemplo, a manipulação genética, o uso de drones, a eutanásia, a destruição ambiental, os direitos dos animais, são temas pertinentes da atualidade que importa trazer a um público constituído por cidadãos comprometidos numa cidadania planetária e interessados nas grandes questões da atualidade e na reflexão sobre a componente ética intrínseca a estes temas. Como afirmava o filósofo Hans Jonas esta necessidade de reflexão impõe-se "porque a nossa ação de hoje, sob o signo de uma globalização técnica tomou tais proporções para o futuro... que a responsabilidade moral impõe tomar em consideração, nas nossas ações e decisões quotidianas, o bem daqueles que serão futuramente por elas afetados". Com Jonas, também estamos convictos de que com o poder cresce a responsabilidade, daí que urja pensar a liberdade em estreita articulação com a responsabilidade. Esta é basicamente a proposta do colóquio.

Analisando o programa do colóquio constatamos a presença de oradores de várias nacionalidades. Quem são?

O Colóquio tem como figura principal a filósofa francesa Catherine Larrère de projecção internacional e autora com o marido Raphael Larrère, sociólogo, de obras de grande relevância sobre a problemática ambiental muitas das quais estão traduzidas em português pelas Edições Piaget. Conta também com a colaboração de um conjunto de investigadores nacionais e internacionais que apresentam um currículo sólido e consistente nas áreas de Filosofia, Biotecnologia e Medicina. Procurámos, desta forma, facultar um programa coerente e diversificado capaz de proporcionar uma clarificação e um debate estimulantes entre o público e os conferencistas.

Veja aqui o programa completo na galeria acima

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?