Alentejo é a segunda região da UE com mais mortes na estrada por habitante

Segundo o Eurostat, Severozapaden, na Bulgária, é a região com mais mortos na estrada e Viena, na Áustria, é a cidade com menos.

O Alentejo é a segunda região da União Europeia (UE) com maior incidência de mortes na estrada por milhão de habitantes (142), segundo dados de 2016 divulgados esta sexta-feira pelo Eurostat.

À cabeça da tabela de mortes na estrada por milhão de habitantes está a região de Severozapaden, na Bulgária (153), seguindo-se o Alentejo (142) e a região belga do Luxemburgo (138 mortes por milhão de habitantes).

Em Portugal, a área metropolitana de Lisboa foi a região que menor incidência de mortes rodoviárias (30 por milhão de habitantes), seguindo-se o Norte (39), e os Açores (45).

A região grega de Notio Aigaio (134) e a búlgara de Severen tsentralen (132), ocupam respetivamente o quarto e quinto lugares da tabela do Eurostat no que respeita a fatalidades rodoviárias por milhão de habitantes.

No outro extremo da tabela está a região de Viena (Áustria), com dez óbitos, destacando o gabinete de estatísticas europeu que, em toda a UE, houve 31 regiões que, em 2016, tiveram uma incidência de menos de 25 mortes por milhão de habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.