Acidentes rodoviários provocaram 44 mortos em janeiro

Número de acidentes aumentou em relação ao ano passado

Os acidentes rodoviários provocaram 44 mortos em janeiro, número idêntico ao mesmo mês do ano anterior, indicou esta segunda-feira a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

No entanto, o número de desastres nas estradas portuguesas aumentou cerca de 5% no primeiro mês do ano face a igual período de 2018.

Segundo a ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, registaram-se 10.931 acidentes rodoviários entre 01 e 31 de janeiro, mais 538 do que em janeiro do ano passado, quando ocorreram 10.393.

Janeiro de 2019 foi o mês de janeiro com maior número de acidentes desde 2016, neste mês ocorreram 10.811 e, em janeiro de 2017, registaram-se 10.560. Os 10.931 acidentes provocaram 44 mortos em janeiro, número idêntico ao mesmo mês de 2018, enquanto em janeiro de 2017 morreram 40 pessoas e em período homólogo de 2016 registaram-se 34 vítimas mortais.

A Segurança Rodoviária adianta que o distrito com mais mortos nas estradas em janeiro foi Braga, com 11, seguido do Porto (sete) e Santarém (cinco).

Os distritos de Bragança e Castelo Branco não registaram qualquer vítima mortal em janeiro.

Os dados da ANSR mostram também que os feridos graves aumentaram 18,5% em janeiro face ao mesmo período de 2018, tendo no primeiro mês do janeiro ficado gravemente feridas nas estradas portuguesas 147, quando em janeiro de 2018 sofreram ferimentos graves 124. No entanto, em janeiro de 2016 e 2017 o número de feridos graves foi superior, 151 e 153 respetivamente.

Também os feridos ligeiros aumentaram ligeiramente no primeiro mês do ano, registando-se 3.292 contra os 3.107 do mesmo mês de 2018.

Os dados da ANSR dizem respeito à segurança rodoviária no Continente e às vítimas mortais cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?